O que esperar do agronegócio em 2018? Perspectivas e tendências do setor

Em 2018, o agronegócio poderá ser influenciado pela produção de soja para o biocombustível

Todo começo de ano chega trazendo expectativas para os mais diversos segmentos. Com o agronegócio, não é diferente: quais serão os fatores que devem afetar a vida dos produtores rurais em 2018? A agenda brasileira será ainda mais cheia em um ano que contará com eleições presidenciais, Copa do Mundo e o setor político ainda mais movimentado.

Com as tentativas de aprovação da Reforma da Previdência, o mercado rural deverá notar uma cautela ainda maior por parte dos investidores, principalmente com a renovação política e as surpresas que os candidatos poderão apresentar durante as eleições. No setor econômico, o crescimento do agronegócio tem movimentado o mercado e atraído investidores, com perspectivas positivas para 2018.

Assim como a brasileira, a economia mundial segue com boas expectativas. A troca de presidentes do Federal Reserve (FED), banco central americano, terá Jerome Powell em destaque no lugar de Janet Yellen, cujo mandato termina em fevereiro de 2018. A chegada de Powell promete beneficiar o agronegócio, já que ele é visto como um centrista que deverá manter os estímulos para agitar a economia dos Estados Unidos, com mais abertura à agenda de desregulação de Donald Trump.

agronegocio

Soja, grãos e infraestrutura: perspectivas agro para 2018

As oscilações no valor total bruto das produções de grãos deverão se manter entre R$ 530 e 550 bilhões. Depois de uma recuperação em 8%, após uma queda de 25% em 2017, as cotações das commodities agrícolas deverão permanecer estáveis mesmo com a altas produções nos Estados Unidos. O Brasil e a Argentina devem seguir em alta em 2018.

Já a soja será afetada pela aprovação do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) do aumento das misturas de biodiesel ao diesel de petróleo em 10%. A medida, que entrará em vigor a partir de março de 2018, traz a expectativa de um aumento de produção de biodiesel que irá saltar dos atuais 4,2 bilhões de litros para 5,3 bilhões. Por conta disso, a soja destinada para a produção de biocombustível deverá aumentar no Brasil.

Consequentemente, o esmagamento da soja também irá crescer. O aumento deverá contribuir para um balanço de oferta e demanda acelerada do grão, que será sentido nos preços da soja. Se o destino da soja segue previsto, o mesmo não pode ser dito da infraestrutura do agronegócio: em ano eleitoral, fica difícil saber o que irá se concretizar e o que não passará da promessa. A economia brasileira comandada por Henrique Meirelles afasta o investimento público e pode favorecer as atividades rentistas no lugar das produtivas.

As inovações tecnológicas para o mercado agrícola em 2018 deverão ajudar na redução das aplicações de agroquímicos, diminuindo a dependência de energia derivada de combustíveis fósseis. No cenário mundial, a utilização de resíduos orgânicos, ambientalmente adequados e de baixo custo deverão seguir em alta neste ano.

Outro ponto que merece a atenção redobrada dos produtores rurais em 2018 serão as condições climáticas, já que a incerteza com a formação ou não de mais um La Niña e seus possíveis efeitos deverá movimentar o mercado. Essa incerteza irá agitar o setor agrícola até a consolidação das primeiras safras do ano, e o mesmo deverá ocorrer com a Argentina.

Venda de máquinas agrícolas em 2018: expectativas altas

Após fechar 2017 com uma comercialização no mercado interno que atingiu 44,3 mil unidades, as vendas de máquinas agrícolas seguem com boas perspectivas no ano que acabou de começar. As exportações também fecharam 2017 em alta: foram US$ 3,017 bilhões, com um avanço de 69,7% em comparação com 2016.

Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a produção de máquinas agrícolas e rodoviárias chegou a 54,9 mil unidades no ano passado, com um aumento de 1,8% ante o desempenho anterior. As exportações de máquinas agrícolas também cresceram, totalizando 14 mil unidades, com alta de 46,9%.

Só em dezembro, 1,3 mil máquinas foram exportadas, com uma expansão de 39,1% em relação ao mesmo mês do penúltimo ano. A expectativa para os próximos meses, de acordo com a Anfavea, é que o setor cresça 10% na produção de máquinas, com alta de 43,7% nas vendas internas e crescimento de 34,5% nas exportações. Vem coisa boa em 2018!

Crescimento do agronegócio brasileiro movimenta a economia e atrai empreendedores

Agronegócio vence a crise e triunfa no Brasil, empurrando o PIB para cima. Exigências de transparência, produtos mais saudáveis e novas soluções criam nichos de mercado.

O Brasil é um país continental: sua vasta disponibilidade de terras, luz do sol, água e terras férteis são riquezas inegáveis. Portanto, não é só por isso que o país tem uma indústria agropecuária tão bem desenvolvida.

Trata-se de um setor que desafia a crise. Mesmo com o cenário econômico conturbado, a renda gerada pelo agronegócio cresceu 6,3% entre janeiro e agosto de 2017. O setor já representa 23% do Produto Interno Bruto (PIB) e 48% das exportações do país.

Isso acontece devido à visão empreendedora de quem trabalha na área e, claro, pela grande aceitação dos produtos brasileiros nos mercados internacional e doméstico.

crescimento do agronegocio

Quais são os principais produtos do agronegócio brasileiro?

Por mais que as características da natureza brasileira permitam a produção de uma ampla gama de produtos, os produtores rurais do país são especialistas em alguns deles: apenas 15 itens são responsáveis por 40% das exportações do setor. Isso na verdade reflete um problema do país que é não diversificar as culturas, alto que precisa ser corrigido e que pode fazer o Agronegócio crescer mais ainda.

O carro-chefe é, indiscutivelmente, a soja em grãos. Em julho do ano passado, o insumo acumulava mais de US$ 2,43 bilhões em exportações, mesmo com a crise. Entretanto, há outros produtos que também geram uma quantidade importante de riqueza para o mercado nacional, como:

  • Açúcar em bruto: US$ 863 milhões
  • Fumo em folhas: US$ 162 milhões
  • Etanol: US$ 105 milhões

E a tendência é que os produtos brasileiros se fortaleçam cada vez mais. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE) a agropecuária do Brasil cresceu mais de 15% no segundo trimestre de 2017, quando comparada ao mesmo período do ano passado.

A título de comparação: o crescimento da indústria, outro setor importante, foi de apenas 0,8% ao longo de todo o primeiro semestre de 2017, o que representa o melhor resultado em quatro anos.

Qual é a importância do agronegócio na economia brasileira?

É indiscutível que o Brasil vive um cenário econômico delicado no momento. Apesar dos tímidos sinais de melhora, a população ainda tem receio na hora de abrir a carteira, justamente devido à instabilidade.

Para quem pretende empreender no agronegócio, a boa notícia é que o setor se mantém aquecido, mesmo com todas as dificuldades. Este ano, as exportações brasileiras do setor cresceram 6,8%, chegando ao patamar de US$ 56,4 bilhões.

Isso faz do Brasil o quarto maior agroexportador do mundo. Os resultados são tão bons que economistas apontam o agronegócio como o eixo que sustenta a leve alta no PIB experimentada pelo Brasil ao longo de 2017.

Vale ressaltar que isso foi possível mesmo com as grandes perdas de grãos na safra 2016/2017, devido a variações climáticas. Ou seja: ainda há muito potencial para melhorar.

O que se pode esperar do futuro do agronegócio brasileiro?

O futuro do agronegócio brasileiro é tão – se não mais – promissor quanto o presente. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) o Brasil é um dos países nos quais a produtividade no campo mais sobe em todo o mundo.

Além disso, as mudanças no comportamento do público abrem novos nichos de mercado. Como as pessoas se preocupam cada vez mais com a origem daquilo que põem à mesa, os produtores que investem em sustentabilidade e transparência tendem a sair à frente da competição.

Outra tendência que começa a conquistar o mercado brasileiro são os orgânicos: apenas 1% da população deixa de consumi-los por falta de interesse. Os maiores empecilhos são os preços elevados (62%), a falta de pontos de venda nas proximidades (32%) e a pouca informação (11%). Mesmo assim, 11% da população já os consome semanalmente.

Quero investir no agronegócio. Quais são as áreas mais promissoras?

Por mais que a agricultura sustentável, orgânica e transparente esteja em alta, essa não é a única oportunidade que o agronegócio apresenta. Na realidade, nem só de produtos agrícolas ele vive: a demanda por produtos e serviços que lhe sirvam de suporte também é alta. Confira os principais:

  • Software e máquinas agrícolas: apesar de o agronegócio estar em um bom momento, sempre há uma busca por mais produtividade. Deste modo, boas soluções de automação (máquinas e software) têm tudo para fazer sucesso dentro do setor.
  • Defensivos verdes: o aquecimento do mercado de orgânicos demanda outras soluções para o controle de pragas que não sejam os agrotóxicos. É aí que entram defensivos naturais, que combatem pragas tão eficazmente quanto só que com menos danos à saúde.
  • Treinamento de mão de obra: a falta de mão de obra qualificada é um dos principais empecilhos ao crescimento do agronegócio brasileiro. Deste modo, empresas que se dediquem a sua qualificação têm seu espaço.
  • Importação e exportação: não basta produzir, é preciso fazer a mercadoria circular. Portanto, empresas que ajudam na importação e exportação de insumos tendem a se sair bem, principalmente em um momento de mercado aquecido.