Agronegócio no Brasil: região sul se consolida como zona estratégica

O agronegócio no Brasil tem se desenvolvido cada vez mais. Na região Sul os destaques são a pecuária e a tecnologia para aumento da produtividade.

Ultrapassando desafios e superando expectativas, o agronegócio no Brasil têm se tornado cada vez mais desenvolvido. Apesar da instabilidade na economia, nosso país é considerado uma potência mundial.

A diversidade de paisagens e climas é um dos fatores que favorece o segmento e as particularidades de cada região permitem que o Brasil produza vários tipos de culturas.

Região Sul

No caso da região sul, o clima ameno e as chuvas bem distribuídas ao longo do ano favorecem uma série de cultivos. Apesar de ser a menor região do país em área, ela é de suma importância para o agronegócio no Brasil.

Neste post, você confere qual é o cenário atual da agropecuária no sul do Brasil, incluindo a riqueza produzida, os principais produtos e tendências. Veja:

Qual é o peso da região sul no agronegócio do Brasil?

O sul do Brasil tem uma das economias mais dinâmicas do país. Na agropecuária, não é diferente: dois de seus estados estão entre os 5 principais exportadores desse segmento a nível nacional: Rio Grande do Sul e Paraná ocupam a terceira e quarta posições, respectivamente.

Os gaúchos estão entre os mais competitivos: só o estado do Rio Grande do Sul acumula mais de 10% das exportações do agronegócio brasileiro.

Qual é a importância do agronegócio para a economia do sul?

O agronegócio ocupa um lugar importante na economia sulista. Em 2013, as exportações da agropecuária local representaram mais de metade de suas exportações totais.

A importância desse segmento é particularmente expressiva no Paraná. Neste estado, a agricultura e a pecuária representaram 65% das exportações do estado, gerando uma renda que superou os US$ 11 bilhões.

No caso do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, a importância das exportações do agronegócio é um pouco menor, mas nem por isso deixa de ser significativa. O agronegócio representou 46,76 e 50,93% de suas pautas exportadoras, gerando uma renda de US$ 11,6 bilhões e US$ 4,4 bilhões, respectivamente.

Principais culturas do sul do Brasil

O clima, a cultura e as características gerais do sul do Brasil faz com que haja duas culturas especialmente importantes para o agronegócio da região: a soja e o tabaco. Além disso, a pecuária também tem um papel importante na economia e cultura locais.

Rio Grande do Sul é líder no plantio de fumo

O Brasil produz mais de 10% das folhas de tabaco do mundo. De acordo com a Associação de Fumicultores do Brasil (Afubra), 98% dessa produção vem do sul do país. Sua cadeia produtiva envolve cerca de 615 mil pessoas e gera uma receita bruta anual que gira em torno dos R$ 5 bilhões.

É inegável que o Rio Grande do Sul é estado que se destaca na cultura do fumo: dos 20 maiores produtores, 12 são desse estado. Apesar de a cidade gaúcha de Santa Cruz do Sul ser conhecida como a capital nacional do fumo, na safra 2014/2015 a campeã de produção foi a também gaúcha Venâncio Aires, que colheu mais de 20 mil toneladas de tabaco.

produçao soja no rs e parana

Produção de soja no Rio Grande do Sul e Paraná

Líder em produção nacional, o Mato Grosso é o estado da soja por excelência. Entretanto, logo depois dele estão Rio Grande do Sul, com uma produção que beira as 19 milhões de toneladas, e o Paraná, cuja produção supera um pouco essa cifra.

Os números apontam que o sul é a segunda região que mais produz soja no país, com um rendimento que beirou as 80 milhões de toneladas na última safra. Perde apenas para o Centro-Oeste.

Pecuária gaúcha lidera exportações

A cultura do churrasco gaúcho é uma das primeiras coisas que vêm à mente das pessoas quando elas pensam no sul. De fato, o Ministério da Agricultura e Pecuária afirma que esta última representa 65% das exportações desse estado.

Entretanto, a pecuária é de suma importância para a região como um todo. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que há uma tendência de deslocamento dessa indústria, do Sudeste e do Centro-Oeste, em direção ao Sul. Ou seja: ao que tudo indica, essa indústria deve crescer – principalmente o gado leiteiro, que atualmente não é tão forte na região.

Principais tendências do agronegócio no sul do Brasil

Os principais avanços tecnológicos observados no agronegócio sulista são relativos à pecuária: os produtores da região têm investido em técnicas para o aumento de produtividade, como o aprimoramento genético, o uso de rações específicas para o ganho de peso além do tradicional farelo de soja, a ordenha mecânica, etc.

A efetividade dessas estratégias, junto com o crescimento projetado pelo IBGE, faz com que essas tecnologias tendam a se expandir.

Além disso, com os consumidores cada vez mais conscientes e exigentes, abre-se o espaço para a soja orgânica. Pouco a pouco, são desenvolvidas novas tecnologias que prometem melhorar a sua produtividade. É outra tendência para ficar de olho!

Terceiro maior exportador de produtos agrícolas do mundo, Brasil segue como o maior vendedor de soja em 2018

País segue na frente do Canadá e está atrás apenas dos EUA e da União Europeia na venda de produtos agrícolas

Na última década, o Brasil ultrapassou a Austrália e a China na exportação de produtos agrícolas do mundo. Atrás apenas de potências como Estados Unidos e União Europeia, o país segue como o terceiro maior exportador agrícola e, em 2018, deverá ser o principal comerciante mundial de soja. Em 2016, o Brasil abriu mercado em 17 países a mais de 22 produtos agrícolas, com acordos comerciais firmados com os Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão e Vietnã.

Com negociações comerciais feitas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o destaque foi a conclusão de acordos para a exportação de carne bovina in natura para os EUA, carne bovina termicamente processada para o Japão e carne de aves e suína para o Vietnã. O comércio dos 22 produtos com os 17 países representou US$ 8,3 bilhões anuais e o Brasil se habilitou a disputar uma fatia do montante com os acordos.

Todas as negociações fazem parte dos esforços do Mapa para elevar a participação do País no comércio agrícola mundial de 6,9% para 10% em cinco anos, em um mercado que representa US$ 1,08 trilhão anualmente. Segundo o balanço do último ano, em 2016 as exportações agrícolas brasileiras somaram US$ 66,7 bilhões – 71,9% são correspondentes às exportações dos produtos de complexos como soja, carnes e sucroalcooleiro.

venda de produtos agrícolas

Principais produtos agrícolas do Brasil

Entre os principais produtos agropecuários do Brasil, destaque para a cana de açúcar, a laranja e o café, dos quais somos os maiores produtores mundiais; para o fumo, a carne bovina e a soja (nos encontramos na segunda posição internacional) e o milho, produto que coloca o Brasil como o terceiro em volume de produção anual.

O avanço da agricultura brasileira nos últimos anos provém de uma série de fatores, como recursos naturais abundantes, como solo, luz e água, diversidade de produtos e câmbio relativamente favorável, além do crescimento da demanda proveniente de países asiáticos e aumento da produtividade das lavouras. Essas vantagens competitivas alavancaram o Brasil à terceira posição como maior exportador do mundo, mesmo durante a crise, onde o País manteve sua liderança mundial na venda de açúcar, café e suco de laranja.

Principal produto da agricultura brasileira, a soja responde por mais de 9% de toda a balança comercial do País ocupa a maior parte das terras agricultáveis. O mercado estrangeiro recebe o montante mais considerável da nossa produção, o que rendeu a previsão do Brasil na posição de maior exportador de soja do mundo em 2018.

Por ocorrer no período de entressafra nos países do norte, a produção de soja no Brasil sai na frente no mercado mundial, onde a exportação acontece em volumes maiores para a alimentação dos rebanhos. Com a mecanização do campo e da expansão da fronteira agrícola, a produção de soja no País ganhou força em um processo marcado pelo avanço dos produtos sulistas diretamente para a região central brasileira.

Consequentemente, os líderes no ranking nacional de produtividade de soja são os estados da região Centro-Oeste, com o Mato Grosso destacado, bem como o Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Tocantins.

Carne bovina à brasileira: nossa produção agrícola no setor

Com mais de 200 milhões de cabeças de gado, ficando atrás apenas dos EUA, o Brasil possui o segundo maior rebanho bovino do mundo e é o país que mais exporta esse tipo de carne. Segundo o Ministério da Agricultura, apenas 16% da carne bovina brasileira segue para o mercado externo, já que a lucratividade do mercado interno nacional é alta.

exoprtação de gado

Até 2019, a previsão é que as exportações de carne brasileira responderão por 60% do comércio mundial do produto. Além da carne, o País também possui uma produtividade alta de leite voltada ao mercado interno. Com a ocupação de grandes áreas, a pecuária no Brasil segue extensiva por conta da disponibilidade de terras e das estratégias latifundiárias para a produtividade de suas propriedades. Entretanto, o País também vem aumentando sua atuação no setor da pecuária intensiva, diretamente ligadas a agroindústrias de leite e de corte.

Com um desenvolvimento do setor agrícola muito superior aos demais da economia do Brasil, o superávit do agronegócio brasileiro foi de quase US$ 900 bilhões entre 2000 e 2016, contrastando com déficits na grande parte dos outros setores. Tudo indica que, enquanto em outros segmentos o País ainda segue engatinhando, no mercado agrícola o desenvolvimento segue a todo vapor. Com máquinas agrícolas potentes e poderosas, que aumentam a produtividade nos campos do Brasil, o setor agrícola com maior rendimento operacional e conforto aos operadores, pronto para

Projeções mostram o árduo caminho para a recuperação da pecuária de corte

 

 

O Brasil possui o maior rebanho de gado bovino do mundo, com 214 milhões de cabeças. Somos também o maior exportador de carne bovina. Porém, apenas 20% da produção é encaminhado ao exterior. O restante é consumido pelo mercado interno. Levando em conta as análises de especialistas tanto as exportações quanto o consumo interno tendem a crescer nos próximos dois anos.

OTIMISMO

A ABIEC, associação que representa as empresas exportadoras de carne,  prevê este ano uma exportação de carne bovina em torno de 1,76 milhões de toneladas, 20% a mais que no ano passado, o que pode representar um recorde histórico. Até então o maior volume exportado foi em 2007, quando foram embarcadas 1,62 milhão de toneladas.

Uma das explicações para tal projeção é a demanda que virá da Ásia, especialmente da China e Japão. O real desvalorizado torna o nosso produto mais acessível.

Um novo mercado a ser explorado é o norte-americano e mexicano. Há expectativa de que o mercado de carne in natura dos Estados Unidos seja definitivamente aberto. O México por sua vez, pode reduzir os impostos para o a carne brasileira.

MERCADO INTERNO

É fato que a carne bovina vem registrando queda no consumo interno. Mas o motivo é o preço elevado. Carne de frango e suína são mais baratas do que carne vermelha, que é logo substituída em tempos de crise e desemprego. No entanto o mercado dá sinais de reação e caso ocorra a retomada da atividade econômica, haverá mais vagas de emprego e gente com maior poder de compra.

O ano de 2016 fechou com uma inflação em torno de 7%. Prognósticos macros econômicos começam a convergir para inflação em 6% para 2017 e 5,4% em 2018. Se as estimativas de crescimento do PIB e inflação para os próximos anos estiverem corretas, o salário mínimo em 2018 pode chegar a R$ 1.002,70 e, em 2019, R$ 1.067,40.

PÉS NO CHÃO

Segundo a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) o agronegócio deve ter crescimento de 2% em 2017. Pela projeção da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), no entanto, o segmento de carnes terá um ano difícil. Em 2016, custos altos da alimentação, inflação generalizada e arroba do boi estabilizada, trouxeram o desânimo ao mercado. Para 2017, uma coisa parece certa: a oferta de animais deverá ser maior, diferentemente de 2016, caracterizado pela baixa disponibilidade de bois para abate e carne sobrando.

Dispondo mais de gado, os frigoríficos procurarão conter o preço da arroba. A esperança é de um aumento no consumo interno, que caiu em 2016. Um refresco virá com a possível baixa no preço da comida para o gado, principalmente do milho, com as boas safras brasileira e dos EUA.

Analistas aconselham o produtor a gerir bem os custos de produção dando foco também no incremento da produtividade. O preço da arroba não deverá superar os R$ 150, cotação que praticamente pautou os anos de 2015 e 2016.

Ou seja, o momento é de fazer as contas na ponta do lápis e observar as perspectivas para 2017 com cautela.

Pensando em investir na pecuária de corte? Veja mais sobre as raças abaixo e adquira seus animais no site MF Rural acessando http://www.mfrural.com.br

RAÇAS

Escolher as melhores raças de gado de corte e bons exemplares para formar o seu rebanho é essencial para aumentar a produtividade e os lucros do seu negócio.

GUZERÁ

Destaque em produtividade e qualidade da carne. Nos últimos anos, a guzerá foi a raça que mais cresceu em número de associados da ABCZ e foi o animal que mais evoluiu, principalmente na comercialização de touros a campo.

HEREFORD E BRAFORD

São referência em qualidade da carne e ganho de peso. O Braford veio pra possibilitar a melhor adaptação da espécie Hereford (que apresenta alto nível de produtividade) no clima tropical brasileiro. A precocidade do acabamento de carcaça e qualidade da carne é o carro chefe da raça.

SENEPOL

Adaptação, rusticidade e monta natural são destaques da raça. Tem alta capacidade de adaptação, rusticidade, docilidade na hora de manejar, alta libido (o que favorece a monta natural) e uma carne de alta qualidade.

BRAHMAN

Um dos principais pontos é a sua aptidão para o cruzamento industrial. Além de touro possuir uma grande capacidade de cobertura a campo. Quando cruzado com a vaca nelore, gera um desempenho muito interessante.

SIMENTAL

Alta produtividade, adaptação e qualidade de carne são atrativos da raça, que está no Brasil há mais de 110 anos. Estudos aprofundados foram feitos para melhoria do gado e da produtividade dessa raça, e os resultados têm dado muito certo para os produtores desse boi rústico.

LIMOUSIN

Precocidade de terminação e velocidade no ganho de peso são diferenciais da raça francesa, que chegou ao país há 165 anos. O primeiro boi da raça no país teria vindo direto da França, como um presente de Dom Pedro para um amigo.

BLONEL

Com peso acima da média, bezzeros da raça Blonel são destaque em qualidade de carne. Com berço na exigente tradição gourmet francesa, a raça sintética foi desenvolvida no município de Pedreira, no interior paulista, há exatos 22 anos.

ANGUS

O crescimento da raça angus vem sendo vertiginoso no Brasil. Em 2014, a raça bateu recorde na venda sêmen, segundo a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia). Os Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, na região Centro-Oeste, são os maiores produtores de meio sangue do país.

BONSMARA

É destaque em qualidade de carne e se firma no mercado gourmet. No final de todo o trabalho árduo do criador, o que realmente importa é entregar uma carne de qualidade. Pensando nisso, muitos açougues premium em todo o Brasil se preocupam em comprar carne da raça Bonsmara.

NELORE

Nelore, a raça mãe do Brasil, é a alavanca comercial da pecuária nacional. A chegada do nelore no Brasil iniciou no século 19, quando há registro de boiadas vindas da Índia. Hoje, não dá para imaginar o Brasil Central sem esse animal.

CHAROLÊS E CANCHIM

Raças Charolês e Canchim são destaque na produção de carne no país.

DEVON

Rusticidade, docilidade, precocidade sexual e de acabamento de carcaça, fertilidade e grande capacidade de converter um pasto “pobre” em um produto diferenciado e lucrativo são algumas das qualidades da raça Devon.

SINDI

Adaptabilidade e alta conversão alimentar da raça Sindi, além da docilidade e adaptação às adversidades do clima e do terreno atraem casda vez mais pecuaristas.

CARACU

Raça Caracu alcança resultados positivos há mais de 400 anos no Brasil. Cruzado com taurinos ou zebuínos, o gado apresenta precocidade sexual e de acabamento, alta conversão alimentar e produz carne de alta qualidade. E graças a essas características, essa linhagem centenária continua sendo amplamente criada nos quatro cantos do país.

SANTA GERTRUDIS

Produção de carne de alta qualidade destaca bovinos da raça Santa Gertrudis. Além de se destacar pelas características de rusticidade, precocidade sexual e de acabamento, crescimento e habilidade maternal. Atualmente, mais de 50 países possuem a raça. África do Sul e Austrália são seus maiores produtores.

Mais informações sobre gado de corte em http://www.mfrural.com.br/produtos.aspx?categoria2=218&nmoca=animais-bovinos-de-corte

MF Rural conquista novos clientes para leilão a Hora do Brahman.

Transmitido ao vivo para todo o Brasil e o mundo pelo MF Rural, o leilão “A Hora do Brahman”, faturou quase R$ 1 milhão. O evento foi realizado sábado (15), em grande estilo, no Portobello Resort & Safári de Magaratiba, um paraíso ao lado de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. Além de criadores de todo o Brasil, a elite da raça Brahman foi adquirida por pecuaristas da Bolívia e Peru. Através do leilão on line o MF Rural colocou no rol da pecuária  dois novos criadores da raça Brahman.

Cerca de 20% das compras foram realizadas pelo site do MF Rural. Os lances a longa distância só foram possíveis devido à transmissão pela internet, através do site www.mfrural.com.br, que chega onde a televisão e demais leiloeiras não têm acesso. Tal diferencial foi ressaltado por Roberto Lucas, diretor da empresa.

“Não se trata apenas de transmitir os leilões pela internet, mas alcançar o público que não tem acesso às facilidades oferecidas por nós. Acompanhar o leilão e dar lances pelo site é simples. Isso atrai novos clientes e dá visibilidade a criadores de todo Brasil e do mundo”, diz Roberto Lucas.

Segundo ele, a transmissão dos leilões é quase instantânea. O delay (atraso da imagem e do som) gira em torno de 2 a 6 segundos.

“Temos também aplicativos tanto para IOS quanto para Android onde a pessoa pode lançar no leilão na palma da mão. Só lembrando que o lance não tem delay, somente o áudio e imagem”, informa Roberto.

O trabalho do MF Rural frente ao leilão “A Hora do Brahman” foi elogiado por Carlos Jardim Borges, proprietário do Portobello Resort & Safári e um dos promotores do evento.

“Foi o primeiro ano que usamos a internet com o MF Rural no leilão, com resultado muito bom. Cerca de 20% dos lotes foram vendidos pelo site, além de ter ajudado em outras inúmeras vendas. O MF rural veio pra ficar. É uma realidade e a equipe está de parabéns”, declara.

Para saber como foi o clima do evento basta acessar

.

Além da Brahman Portobello, participam do leilão os principais criadores da raça no Brasil: Brahman Canaã, Casa Branca Agropastoril, Brahman Assu e Braúnas Agropecuária.

A raça Brahman nasceu nos EUA, resultado do cruzamento do Gir, Nelore, Guzerá e Krishna Valley. Introduzido no Brasil a partir de 1994, a criação da raça vem crescendo a cada ano. O Brahman é o Zebu mais presente no mundo, criado em mais de 70 países, com mais de 60 associações formais de criadores, nos cinco continentes. Criadores importantes da pecuária de corte no Brasil, procurando melhorar a raça, introduziram uma genética oriunda de países como Estados Unidos, Argentina, Colômbia e Paraguai.

Dentre as principais características estão a tolerância a altas temperaturas e umidade, além da alta resistência a doenças e parasitas. As fêmeas têm capacidade reprodutiva regular e excelente habilidade materna. A raça tem velocidade de crescimento (com eficiente conversão alimentar), o que ocasiona produção de carne magra. A docilidade e temperamento da raça facilitam muito o manejo.

Visite a categoria de Brahman no site MF Rural clicando em Gado Brahman

Criação de equinos com pastagem

twoo-horses

A criação de equinos com pastagem de boa qualidade continua sendo a melhor forma de criação. Para esses animais, herbívoros, a mastigação de gramíneas chega a ser um ato prazeroso.

Com a crescente melhora no processo de cruzamento de gramíneas, surgem novas e melhores espécies de grande utilização para esses animais. Dessas gramíneas, deve-se ter destaque: coast cross, grama estrela, tifton (85, 78, 68 e 44), florakirk, florico, florona, entre outras. No Brasil, as de maior utilização são Coast Cross, grama estrela, tifton 85 e florakirk.

O Tifton 68, difundido na década de 90, é menos resistente à geadas e à seca e possuem estolões mais grossos. Já o Tifton 85 tem maior valor nutritivo, resiste ao estresse hídrico e geadas, além de permitir ganho de peso 40% maiores.
O Florakirk tem características semelhantes ao Tifton 85, mas é menos produtivo e mais adaptável a solos arenosos.

Essas gramíneas só se reproduzem pelo uso de mudas no processo. Antigamente o processo de plantio precisava ser feito em covas e sulcos, demandando grande quantidade de mão de obra e alto custo de implantação.
O plantio do gênero Cynodon (tiftons, florakirk e coast cross) são exigentes em fertilidade de solo, chuvas e adubação. Áreas em condições ideais podem permitir a acomodação de 8 equídeos/ha no período das chuvas e 3 a 4 equídeos durante a seca.
Outro grupo que vem recebendo aprimoramento genético para ser usado como alimento para equídeos são as gramíneas do gênero Panicum. Massai, aruarã e aires, em especial. O Massai possui folhas mais finas, são menos exigentes em fertilidade e têm menor resistência ao encharcamento. Uma das principais desvantagens é que, por conter folhar longas e cortantes, provocam lesões de difícil cicatrização na comissura labial dos animais.

Outros exemplos de excelente aceitação pelos equídeos são: Capim de Rhodes, Capim Gordura, Andropogon, Jaraguá, Setária, Capim Buffel, Quicuio, Pangola, Tangola, Grama de Burro e Pensacola.


Veja aqui alguns produtos mencionados acima: equinospastagemanimaisgramíneas, coast cross,gramatiftonflorakirk.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Aquicultura avança e promete lucros ao produtor

aquicultura

Tal e qual a crescimento da agricultura e pecuária nacionais através da ampliação de áreas de produção, melhoramento genético de plantas e animais, e implantação de técnicas de manejo, se observa na aquicultura uma autêntica revolução em termos de produtividade, quantidade e qualidade de produtos obtidos.

De norte a sul, no mar, rios e lagos brasileiros percebe-se o crescimento da aquicultura, tanto pela necessidade de aumento na produção de peixes, quanto por ser a aquicultura uma alternativa a mais de renda.

A vastidão de nosso mar, a extensão de nossos rios e represas, bem como a construção de pequenos lagos e tanques na áreas rurais permitem que sejam criados e desenvolvidos os mais diversos tipos e espécies de peixes, moluscos e crustáceos.

A  extensão territorial do Brasil e diferenças climáticas de cada região, faz com que a aquicultura brasileira seja bem diversificada, de forma  a atender as características de cada espécie e as necessidades regionais das populações.

Na região norte o tambaqui e o pirarucu respondem pela maior parte da criação; no nordeste a tilápia e o camarão são o carro chefe da aquilicultura local. Já no sudeste, centro-oeste e sul o foco está na produção de trutas, moluscos bivalentes, surubim, pacu, pintado e carpas.


Veja aqui alguns produtos mencionados acima: aquiculturapeixes.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Por que o gado Nelore é a raça mais difundida e lucrativa do Brasil

campo-43-full

As principais características que tornaram o gado nelore a raça mais difundida e lucrativa no Brasil de hoje são sua rusticidade e adaptabilidade na maioria das regiões brasileiras.

Desde sua chegada ao Brasil na segunda metade do século XIX, o gado nelore se espalhou por nosso território, sendo o principal agente pelo desbravamento e ampliação das fronteiras agrícolas e pecuárias, e do povoamento do centro-oeste e norte do país.

Sempre criado e desenvolvido no sistema intensivo de pastagens, o rebanho nelore vem se ampliando cada vez mais, dado que é menos suscetível a doenças,  principalmente aquelas promovidas pelos ecto-parasitas,

O aprimoramento e desenvolvimento de novas técnicas de reprodução, bem como o acelerado melhoramento genético da raça, em muito contribuíram para a elevação do tamanho do rebanho nelore, hoje estimado em mais de 80% do rebanho bovino total. O Brasil é hoje o principal produtor mundial desta raça.

O gado nelore é também, sem dúvida, o responsável pela colocação do Brasil como um dos principais exportadores de carne no ranking mundial.


Veja aqui alguns produtos mencionados acima: gado neloreintensivo de pastagens melhoramento genético.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Vantagens na criação da galinha de angola

galinha - de - angola

Incluir a criação de galinha de angola em sua propriedade propicia vantagens, pois  é uma atividade prática, de fácil manejo e que pode agregar valores em sua atividade.

Rústicas e adaptáveis a todos ambientes e regiões, a galinha de angola apresenta também o aspecto de “ornamentação” nos locais onde são criadas.

Podem ser criadas em instalações fechadas, nada diferentes dos galinheiros habituais, com bebedouros, cochos para alimentação, poleiros e ninhos. Todavia, uma das características típicas da galinha de angola é ser conhecida como “andarilhas”.

Sob este aspecto, circulam o dia todo pela propriedade em busca de alimentos e água. Simultaneamente durante sua rotina de andarilha, se alimenta de gramíneas e insetos daninhos. Quando em pastagens com bovinos, a galinha de angola é um importante predador de parasitas externos dos animais, tais como carrapatos e sarnas.

A carne da galinha de angola é semelhante à da galinha caipira e do faisão, cujo hábito de consumo vem sendo cada vez mais difundido.

Os ovos de angola em nada diferem das qualidades nutricionais dos ovos de galinha.

Quanto à saúde das angolas, necessitam obrigatoriamente ser protegidas contra a Newcastle e Bouba Aviária.


 

Veja aqui alguns produtos mencionados acima: galinhas de angolabovinos.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Vermifugação: saiba o porquê pode não estar funcionando

ICMS-bovinos-bufalinos

A boa produtividade dos rebanhos bovinos de corte e de leite está diretamente ligada à saúde dos animais. A saúde plena dos animais depende, além da alimentação adequada, de cuidados especiais como vacinação (controle de doenças) e vermifugação (controle de parasitas).

Vermífugos para bovinos exige manejo correto na aplicação, cuidados com a dosagem, calendário específico, princípios ativos eficientes e equipamentos próprios.

Moxidectina, irvemectina, levamisol e albendazol estão entre os princípios ativos utilizados nos vermífugos da atualidade.

Hoje em dia é muito comum verificar que os parasitas apresentam resistência à eficiência de alguns vermífugos. Vários fatores influem na eficiência dos vermífugos. Dentre eles pode-se incluir a subdosagem do produto, intervalo correto entre aplicações, aplicações simultâneas com outras vacinas, equipamentos inadequados, etc.

Todo cuidado e zêlo devem ser tomados quanto à aplicação de vermífugos. Embora os custos dos vermífugos representem menos de 1% na produção dos bovinos, sua ausência ou uso inadequado pode representar até 20% de perda na sua produtividade.


Veja aqui alguns produtos mencionados acima: gado de  corte e de leitevacinaçãovermifugação.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Como alimentar bezerros

Ao nascer, os bezerros têm o estômago com característica diferente dos adultos, não sendo capaz de ser alimentado com sólidos.

Em cerca de sessenta e nove dias, esse bezerro se transforma em um ruminante e passa a ter habilidade de se alimentar com alimentos volumosos e concentrados, capacitando assim a absorção de nutrientes.

As dicas para o sistema de alimentação são:

CONCENTRADO: deve ter na sua composição alimentos considerados de excelente qualidade como grãos de milho, raspa de mandioca, farelo de soja, farelo de algodão e misturas minerais.

VOLUMOSO: são importantes para o desenvolvimento fisiológico, tamanho e musculatura.
Um bom volumoso, feno ou verde picado, pode ser fornecido a partir da segunda semana de idade. Em escala de importância, para bezerros, antes dos três meses de idade, bons fenos são melhores que bons alimentos verdes picados, que, por sua vez, são melhores que boas silagens.

LÍQUIDOS: recomenda-se que os bezerros tenham, à sua disposição, desde a primeira semana de idade, água fresca e limpa, porque há evidências de maior consumo de concentrado pelos animais assim manejados.

DESALEITAMENTO OU DESMAME: quando o bezerro estiver consumindo 600 a 800 g de concentrado por dia, de maneira consistente, ele estará pronto para ser desaleitado ou desmamado, independentemente de sua idade, tamanho ou peso.

Veja aqui alguns produtos mencionados acima: bezerrosalimentogrãos de milhomandiocafarelo de sojafarelo de algodão.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.