RAÇA SINDI É DESTAQUE NAS REGIÕES NORTE, NORDESTE E SUDESTE

 

O gado da Raça Sindi surgiu na região chamada de Kohistan, na parte norte da província de Sindi, no atual Paquistão. Esta região é desértica e seca, o que ajudou a raça a se adaptar com o clima tropical brasileiro.

Dados históricos indicam que as primeiras importações da raça ao Brasil ocorreram por volta de 1850. Mas somente em 1930, através do criador Ravisio Lemos, a raça estabilizou-se no país. Outro nome que acreditou e trouxe o Sindi para o país, foi o Felisberto de Camargo, que em 1952 carregou 32 animais num avião.

A vinda da raça para o país foi quase uma novela. Na época das negociações com o governo, Camargo não conseguiu o apoio para a entrada deles, ou seja, os animais foram impedidos de chegar ao seu destino final, que era o Pará.

O gado importado ficou retido por cerca de três anos em Fernando de Noronha. E depois de tanta burocracia, os animais conseguiram entrar no estado paraense para abastecer o mercado com produtos lácteos.

A raça Sindi é uma espécie mais explorada no nordeste brasileiro, região que corresponde a 77,16% da criação no país. O cruzamento desta raça faz com que o potencial do gado Sindi se torne ainda mais expressivo.

Segundo o Diretor-secretário da Associação Brasileira dos Criadores de Sindi, Arthur Abdon Targino, criar esta raça é muito prazeroso, pois além de ser facilmente adaptável ao ambiente, é eficaz em suas produções. “Rústica, a raça consegue converter as pastagens mais grosseiras em carne e leite, e é um zebuíno bastante precoce”, afirma ele.

O Sindi apresenta uma estatura pequena, porém com grande profundidade, possui pelagem avermelhada, variando do amarelo-alaranjado ao castanho. Os machos são mais escuros. Eles apresentam uma tonalidade mais clara no focinho, barbela, testa e no ventre. Os pelos são finos, curtos e brilhantes. Além de ser um animal rústico, o Sindi é sadio, vigoroso e dócil.

O gado também produz uma boa carne. Se adapta facilmente em pastagens de baixa qualidade, e apresenta resistência à febre aftosa, doença que chega a matar bovinos no Brasil.

 

 

As vacas desta raça podem ser criadas como zebu leiteira. Neste tipo de produção, vacas Sindi e animais de raças europeias geram bons resultados para a pecuária. A atividade principal da raça, como já foi mostrada aqui, é a produção de leite, e os resultados variam de acordo com a seleção e conforme a região.

No próximo dia 10 de outubro o site MF Leilões transmitirá mais um grande leilão da Raça Sindi, com belíssimos animais da Fazenda Asa Branca, município de Cidade Ocidental, GO. O leilão será transmitido 100% online, a partir das 20 horas.

 

Confira os detalhes do leilão:

– 05% de desconto no pré lance;

– Bezerras, novilhas e vacas prenhas, vacas paridas e touros;

– Localização: Cidade Ocidental, Goiás (55 km de Brasília);

–  Animais rústicos para carne e leite, em regime 100% campo;

– 30 Parcelas (2 + 2 + 2 + 24);

– 20 anos de seleção;

– A melhor genética Sindi;

– 100 km de frete grátis por animal.

 

Link para o pré lance: http://www.mfleiloes.com.br/leilao.aspx?leilao=4035&tit=leilao-virtual-sindi-asa-branca

 

 

Nutrição animal: quais melhores alimentos para bovinos de corte?

Bovinos de corte tem maior crescimento, ganho de peso e rentabilidade com uma nutrição a base de alimentos ricos em vitaminas e minerais

Maior produtividade na pecuária já não pode mais ser considerada um diferencial, mas sim imprescindível para criação de gado de corte. Uma boa nutrição é essencial para a vida de um gado saudável com ganho de peso regular. Para o rebanho ter um bom aproveitamento de nutrientes, é fundamental que o produtor conheça as categorias de alimentos que compõem a dieta dos bovinos de corte.

Para que o gado se mantenha vivo, com saúde, produzindo mais e gerando maior rentabilidade, é importante que os pecuaristas conheçam os pilares da nutrição animal. Afinal, são os alimentos certos para nutrição dos bovinos que vão oferecer os nutrientes necessários de acordo com as suas características nutricionais. O ganho de peso e o crescimento do gado também está diretamente relacionado à alimentação.

A alimentação do rebanho deve levar em conta certas questões fundamentais, como as necessidades nutricionais de cada animal, velocidade de peso desejada, viabilidade econômica e disponibilidade de alimentos (de acordo com a sazonalidade e localização regional). Outro ponto importante são as classificações dos nutrientes e as categorias dos alimentos que fazem parte da dieta dos bovinos de corte.

gado de corte

Nutrição do gado de corte

O desenvolvimento e a reprodução do bovino de corte, bem como todo o seu potencial genético, são gerados a partir da nutrição. Em diferentes quantidades e combinações, a dieta deve ser balanceada com elementos como proteínas, gordura, açúcares, cálcio, minerais, água e vitaminas, essenciais para o desempenho das atividades vitais dos animais.

É essencial que os produtores conheçam a classificação dos nutrientes e as categorias dos alimentos que compõem a dieta dos bovinos de corte para o bom aproveitamento nutricional dessa alimentação. Esses elementos podem ser divididos em duas categorias: matéria seca e água.

A primeira contém o valor nutritivo e é composta por matéria orgânica e mineral, com lipídios e carboidratos que fornecem energia, além de vitaminas e proteínas. Já o macro e microelementos podem ser encontrados na categoria mineral. Todos estão presentes nos principais alimentos, volumosos ou concentrados, oferecidos aos bovinos de corte.

Principais alimentos para bovinos

Alimentos volumosos são considerados aqueles que contêm alto teor de fibra bruta, mais de 18%, Com baixo valor energético, eles correspondem à soma de todos os nutrientes digestíveis (exceto vitaminas e cinzas dos alimentos). Essa categoria inclui pastagens, forrageiras para corte, selagens, restos  culturais, cascas, sabugos e resíduos de agroindústrias.

Com menos de 18% de fibra bruta, os alimentos concentrados têm alto teor energético, com maior concentração de nutrientes do que os volumosos e são divididos em energéticos e proteicos. Os energéticos, com menos de 20% de proteína pura, podem ser representados essencialmente pelos grãos de cereais, como milho, trigo, arroz, sorgo; e seus derivados, raízes, tubérculos (batata, mandioca etc), bem como os óleos de origem vegetal ou animal e gorduras.

Há ainda os proteicos, que podem ser de origem vegetal, como as oleaginosas (amendoim, algodão, soja), ou de origem animal, com farinha de carne, pena, sangue, sem gorduras e ossos, bem como farelos, excremento de aves, biossintéticos, entre outros. O concentrado energético mais usado em todo o País para a nutrição animal é o grão de milho triturado.

Culturalmente tradicional e presente nas principais regiões de criação, o grão tem valor nutritivo de qualidade, oferecendo energia com 8,5 de proteína bruta e 0,25% de fósforo. Já a fonte de proteína de melhor qualidade para a alimentação animal, principalmente, de bovinos de corte, é a soja: ela oferece alto teor energético (pois é composta por grandes quantidades de óleo), vitamina D, pouca carotena e baixo teor de cálcio e de fibra. Isso é ainda mais importante considerando que o país continua sendo um dos maiores produtores de soja do mundo.

Suplementação de pastagens para gado de corte

Principal fonte de alimentos para ruminantes no Brasil, a pastagem é favorecida pelo nosso clima tropical, que ajuda no desenvolvimento das forrageiras. Há pelo menos duas estações definidas, que alteram os níveis de qualidade da forragem e crescimento: a de crescimento intenso, com qualidade indicada; e a de baixo crescimento, ou até mesmo nulo, considerada inadequada para o desempenho dos animais.

A época de baixo crescimento é marcada por forragens pobres em proteína, com oferta menor nos pastos e teores maiores de fibras. Isso faz com que os sistemas de produção anualmente baseados somente em pastagens sejam afetados por perda de peso ou pouco ganho de peso. Por isso, a importância de suplementar os animais na época da seca por conta da redução do crescimento das forrageiras e seu baixo teor nutritivo.

Esse tipo de alimentação tem como objetivo fornecer suplementos minerais, proteínas e muita energia aos bovinos de corte. No período da estiagem, tais nutrientes são considerados os pilares da suplementação animal. Confinados ou semi-confinados, os bovinos devem receber alimentos concentrados e volumosos conservados. Durante a escolha da suplementação, é necessário considerar sua disponibilidade, praticidade, necessidades nutricionais do gado e a economia local.

Como vemos, uma nutrição animal adequada é fundamental para o gado de corte alcançar uma produtividade que atenda tanto aos anseios do pecuarista quanto dos frigoríficos, trazendo um melhor resultado financeiro para toda a cadeia.

Agronegócio no Brasil: região sul se consolida como zona estratégica

O agronegócio no Brasil tem se desenvolvido cada vez mais. Na região Sul os destaques são a pecuária e a tecnologia para aumento da produtividade.

Ultrapassando desafios e superando expectativas, o agronegócio no Brasil têm se tornado cada vez mais desenvolvido. Apesar da instabilidade na economia, nosso país é considerado uma potência mundial.

A diversidade de paisagens e climas é um dos fatores que favorece o segmento e as particularidades de cada região permitem que o Brasil produza vários tipos de culturas.

Região Sul

No caso da região sul, o clima ameno e as chuvas bem distribuídas ao longo do ano favorecem uma série de cultivos. Apesar de ser a menor região do país em área, ela é de suma importância para o agronegócio no Brasil.

Neste post, você confere qual é o cenário atual da agropecuária no sul do Brasil, incluindo a riqueza produzida, os principais produtos e tendências. Veja:

Qual é o peso da região sul no agronegócio do Brasil?

O sul do Brasil tem uma das economias mais dinâmicas do país. Na agropecuária, não é diferente: dois de seus estados estão entre os 5 principais exportadores desse segmento a nível nacional: Rio Grande do Sul e Paraná ocupam a terceira e quarta posições, respectivamente.

Os gaúchos estão entre os mais competitivos: só o estado do Rio Grande do Sul acumula mais de 10% das exportações do agronegócio brasileiro.

Qual é a importância do agronegócio para a economia do sul?

O agronegócio ocupa um lugar importante na economia sulista. Em 2013, as exportações da agropecuária local representaram mais de metade de suas exportações totais.

A importância desse segmento é particularmente expressiva no Paraná. Neste estado, a agricultura e a pecuária representaram 65% das exportações do estado, gerando uma renda que superou os US$ 11 bilhões.

No caso do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, a importância das exportações do agronegócio é um pouco menor, mas nem por isso deixa de ser significativa. O agronegócio representou 46,76 e 50,93% de suas pautas exportadoras, gerando uma renda de US$ 11,6 bilhões e US$ 4,4 bilhões, respectivamente.

Principais culturas do sul do Brasil

O clima, a cultura e as características gerais do sul do Brasil faz com que haja duas culturas especialmente importantes para o agronegócio da região: a soja e o tabaco. Além disso, a pecuária também tem um papel importante na economia e cultura locais.

Rio Grande do Sul é líder no plantio de fumo

O Brasil produz mais de 10% das folhas de tabaco do mundo. De acordo com a Associação de Fumicultores do Brasil (Afubra), 98% dessa produção vem do sul do país. Sua cadeia produtiva envolve cerca de 615 mil pessoas e gera uma receita bruta anual que gira em torno dos R$ 5 bilhões.

É inegável que o Rio Grande do Sul é estado que se destaca na cultura do fumo: dos 20 maiores produtores, 12 são desse estado. Apesar de a cidade gaúcha de Santa Cruz do Sul ser conhecida como a capital nacional do fumo, na safra 2014/2015 a campeã de produção foi a também gaúcha Venâncio Aires, que colheu mais de 20 mil toneladas de tabaco.

produçao soja no rs e parana

Produção de soja no Rio Grande do Sul e Paraná

Líder em produção nacional, o Mato Grosso é o estado da soja por excelência. Entretanto, logo depois dele estão Rio Grande do Sul, com uma produção que beira as 19 milhões de toneladas, e o Paraná, cuja produção supera um pouco essa cifra.

Os números apontam que o sul é a segunda região que mais produz soja no país, com um rendimento que beirou as 80 milhões de toneladas na última safra. Perde apenas para o Centro-Oeste.

Pecuária gaúcha lidera exportações

A cultura do churrasco gaúcho é uma das primeiras coisas que vêm à mente das pessoas quando elas pensam no sul. De fato, o Ministério da Agricultura e Pecuária afirma que esta última representa 65% das exportações desse estado.

Entretanto, a pecuária é de suma importância para a região como um todo. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que há uma tendência de deslocamento dessa indústria, do Sudeste e do Centro-Oeste, em direção ao Sul. Ou seja: ao que tudo indica, essa indústria deve crescer – principalmente o gado leiteiro, que atualmente não é tão forte na região.

Principais tendências do agronegócio no sul do Brasil

Os principais avanços tecnológicos observados no agronegócio sulista são relativos à pecuária: os produtores da região têm investido em técnicas para o aumento de produtividade, como o aprimoramento genético, o uso de rações específicas para o ganho de peso além do tradicional farelo de soja, a ordenha mecânica, etc.

A efetividade dessas estratégias, junto com o crescimento projetado pelo IBGE, faz com que essas tecnologias tendam a se expandir.

Além disso, com os consumidores cada vez mais conscientes e exigentes, abre-se o espaço para a soja orgânica. Pouco a pouco, são desenvolvidas novas tecnologias que prometem melhorar a sua produtividade. É outra tendência para ficar de olho!

Criação e confinamento de gado de corte no Brasil continua atrativo

Os sinais de recuperação da economia afetaram positivamente também o mercado de criação de gado.

Depois de um ano de dificuldades, o cenário do setor de criação e confinamento de gado experimentou um cenário mais atrativo em 2017, impulsionado pelas quedas do preço do milho e dos animais de reposição. O resultado foi o crescimento do número de animais terminados no cocho em todo o Brasil.

Com a melhoria do cenário, a demanda interna de carne bovina também foi retomada, aumentando as oportunidades de negócios do setor. Segundo especialistas, a temporada atual de leilões de gado tem movimentado os campos gaúchos com boas perspectivas de retomada dos preços, com dezenas de feiras e exposições de gado pelo País.

Economistas da Federação da Agricultura do Estado (Farsul) apontam que o momento é bom para os negócios de longo e médio prazo no País, já que uma pequena redução no número de gado de corte a venda ajudou a elevar a cotação que havia sido marcada pela queda do primeiro semestre. Após a crise deflagrada pela operação Carne Fraca, JBS e um mercado interno mais lento, a recuperação da economia e a retomada do ritmo de negócios internacionais ofereceram um cenário mais positivo no segundo semestre.

Carne de gado a venda: boas perspectivas no mercado brasileiro

Com o maior rebanho de gado bovino do mundo, com 214 milhões de cabeças, o Brasil também é o maior exportador de carne bovina. Desse montante, apenas 20% é encaminhado ao exterior; 80% da produção é consumida pelo mercado interno. Para 2017, estava prevista uma exportação de 20% a mais do que no ano passado, com cerca de 1,76 milhões de toneladas. Meses após a Operação Carne Fraca, o mercado recuperou o fôlego previsto: produtores comemoraram o aumento de 20% de compra de gado de corte, como maminha e picanha em Uruguaiana, fronteira Oeste do Rio Grande do Sul.

Outra boa notícia para o mercado de confinamento e venda de gado de corte é a reabertura do mercado de carne das Filipinas ao Brasil. De acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o país reiniciou a importação de carnes bovina, suína e de frango brasileiras em novembro, registrada através de um memorando que afirma que o sistema brasileiro atende às normas filipinas de saúde animal e segurança alimentar. A retomada ocorre após uma breve suspensão, ocorrida em setembro, e reacende as perspectivas positivas sobre os embarques de suínos e aves em 2018 ao governo filipino.

sal mineral gado

Investindo na criação de gado de corte com suplementação de pastagens

De olho nas boas perspectivas do mercado de venda de gado de corte, os produtores podem investir ainda mais no negócio para obter uma lucratividade ainda mais alta em 2018. Um dos facilitadores nesse sentido é utilizar suplementações para gado de corte em pastagem, técnica que recupera o equilíbrio de minerais essenciais para a composição da carne em pastagens carentes de fósforo, que dependem de características como a fertilidade, a acidez do solo, a adubação e a época do ano.

Afinal, cerca de 95% do rebanho nacional está em condição de pastagem, porém, nem sempre o capim oferece tudo o que o animal precisa, por mais alta que seja a sua qualidade. Nesses casos, a suplementação mineral e a estratégica, que envolve proteínas, ajudam na rentabilidade dos pecuaristas em uma das atividades nutricionais mais importantes, que é o fornecimento de minerais para bovinos. A prática pode ser realizada com:

  • Sal mineral com ureia, alternativa de suplementação de baixo investimento durante os períodos de seca, que beneficia os períodos de estiagem; Porém, não é recomendado para animais magros ou em jejum, e sua utilização inadequada pode causar intoxicação;
  • Sal mineral proteico energético, que ajuda nas exigências minerais e oferece fontes de proteína e energia para que os bovinos de corte tenham o melhor desempenho nas pastagens (é composto por ureia, minerais e fontes de proteína verdadeira com outras fontes de energia, como milho, raspa de mandioca e sorgo);
  • Sal mineral proteinado: é enriquecido com fontes de proteína verdadeiras, como farelo de soja e ureia, e tem custo maior que o sal com ureia, porém, ele é fornecido em quantidades maiores, o que o torna mais vantajoso economicamente.

É importante levar em conta que o desempenho do gado de corte também depende de outros fatores, como quantidade e qualidade da forragem, energia, minerais e taxas de proteína.

Ou seja, o momento e o cenário são positivos para um crescimento mais robusto dos negócios de criação de gado de corte, mas, como todo empreendimento, exige empenho e dedicação dos produtores.

Terceiro maior exportador de produtos agrícolas do mundo, Brasil segue como o maior vendedor de soja em 2018

País segue na frente do Canadá e está atrás apenas dos EUA e da União Europeia na venda de produtos agrícolas

Na última década, o Brasil ultrapassou a Austrália e a China na exportação de produtos agrícolas do mundo. Atrás apenas de potências como Estados Unidos e União Europeia, o país segue como o terceiro maior exportador agrícola e, em 2018, deverá ser o principal comerciante mundial de soja. Em 2016, o Brasil abriu mercado em 17 países a mais de 22 produtos agrícolas, com acordos comerciais firmados com os Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão e Vietnã.

Com negociações comerciais feitas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o destaque foi a conclusão de acordos para a exportação de carne bovina in natura para os EUA, carne bovina termicamente processada para o Japão e carne de aves e suína para o Vietnã. O comércio dos 22 produtos com os 17 países representou US$ 8,3 bilhões anuais e o Brasil se habilitou a disputar uma fatia do montante com os acordos.

Todas as negociações fazem parte dos esforços do Mapa para elevar a participação do País no comércio agrícola mundial de 6,9% para 10% em cinco anos, em um mercado que representa US$ 1,08 trilhão anualmente. Segundo o balanço do último ano, em 2016 as exportações agrícolas brasileiras somaram US$ 66,7 bilhões – 71,9% são correspondentes às exportações dos produtos de complexos como soja, carnes e sucroalcooleiro.

venda de produtos agrícolas

Principais produtos agrícolas do Brasil

Entre os principais produtos agropecuários do Brasil, destaque para a cana de açúcar, a laranja e o café, dos quais somos os maiores produtores mundiais; para o fumo, a carne bovina e a soja (nos encontramos na segunda posição internacional) e o milho, produto que coloca o Brasil como o terceiro em volume de produção anual.

O avanço da agricultura brasileira nos últimos anos provém de uma série de fatores, como recursos naturais abundantes, como solo, luz e água, diversidade de produtos e câmbio relativamente favorável, além do crescimento da demanda proveniente de países asiáticos e aumento da produtividade das lavouras. Essas vantagens competitivas alavancaram o Brasil à terceira posição como maior exportador do mundo, mesmo durante a crise, onde o País manteve sua liderança mundial na venda de açúcar, café e suco de laranja.

Principal produto da agricultura brasileira, a soja responde por mais de 9% de toda a balança comercial do País ocupa a maior parte das terras agricultáveis. O mercado estrangeiro recebe o montante mais considerável da nossa produção, o que rendeu a previsão do Brasil na posição de maior exportador de soja do mundo em 2018.

Por ocorrer no período de entressafra nos países do norte, a produção de soja no Brasil sai na frente no mercado mundial, onde a exportação acontece em volumes maiores para a alimentação dos rebanhos. Com a mecanização do campo e da expansão da fronteira agrícola, a produção de soja no País ganhou força em um processo marcado pelo avanço dos produtos sulistas diretamente para a região central brasileira.

Consequentemente, os líderes no ranking nacional de produtividade de soja são os estados da região Centro-Oeste, com o Mato Grosso destacado, bem como o Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Tocantins.

Carne bovina à brasileira: nossa produção agrícola no setor

Com mais de 200 milhões de cabeças de gado, ficando atrás apenas dos EUA, o Brasil possui o segundo maior rebanho bovino do mundo e é o país que mais exporta esse tipo de carne. Segundo o Ministério da Agricultura, apenas 16% da carne bovina brasileira segue para o mercado externo, já que a lucratividade do mercado interno nacional é alta.

exoprtação de gado

Até 2019, a previsão é que as exportações de carne brasileira responderão por 60% do comércio mundial do produto. Além da carne, o País também possui uma produtividade alta de leite voltada ao mercado interno. Com a ocupação de grandes áreas, a pecuária no Brasil segue extensiva por conta da disponibilidade de terras e das estratégias latifundiárias para a produtividade de suas propriedades. Entretanto, o País também vem aumentando sua atuação no setor da pecuária intensiva, diretamente ligadas a agroindústrias de leite e de corte.

Com um desenvolvimento do setor agrícola muito superior aos demais da economia do Brasil, o superávit do agronegócio brasileiro foi de quase US$ 900 bilhões entre 2000 e 2016, contrastando com déficits na grande parte dos outros setores. Tudo indica que, enquanto em outros segmentos o País ainda segue engatinhando, no mercado agrícola o desenvolvimento segue a todo vapor. Com máquinas agrícolas potentes e poderosas, que aumentam a produtividade nos campos do Brasil, o setor agrícola com maior rendimento operacional e conforto aos operadores, pronto para

Projeções mostram o árduo caminho para a recuperação da pecuária de corte

 

 

O Brasil possui o maior rebanho de gado bovino do mundo, com 214 milhões de cabeças. Somos também o maior exportador de carne bovina. Porém, apenas 20% da produção é encaminhado ao exterior. O restante é consumido pelo mercado interno. Levando em conta as análises de especialistas tanto as exportações quanto o consumo interno tendem a crescer nos próximos dois anos.

OTIMISMO

A ABIEC, associação que representa as empresas exportadoras de carne,  prevê este ano uma exportação de carne bovina em torno de 1,76 milhões de toneladas, 20% a mais que no ano passado, o que pode representar um recorde histórico. Até então o maior volume exportado foi em 2007, quando foram embarcadas 1,62 milhão de toneladas.

Uma das explicações para tal projeção é a demanda que virá da Ásia, especialmente da China e Japão. O real desvalorizado torna o nosso produto mais acessível.

Um novo mercado a ser explorado é o norte-americano e mexicano. Há expectativa de que o mercado de carne in natura dos Estados Unidos seja definitivamente aberto. O México por sua vez, pode reduzir os impostos para o a carne brasileira.

MERCADO INTERNO

É fato que a carne bovina vem registrando queda no consumo interno. Mas o motivo é o preço elevado. Carne de frango e suína são mais baratas do que carne vermelha, que é logo substituída em tempos de crise e desemprego. No entanto o mercado dá sinais de reação e caso ocorra a retomada da atividade econômica, haverá mais vagas de emprego e gente com maior poder de compra.

O ano de 2016 fechou com uma inflação em torno de 7%. Prognósticos macros econômicos começam a convergir para inflação em 6% para 2017 e 5,4% em 2018. Se as estimativas de crescimento do PIB e inflação para os próximos anos estiverem corretas, o salário mínimo em 2018 pode chegar a R$ 1.002,70 e, em 2019, R$ 1.067,40.

PÉS NO CHÃO

Segundo a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) o agronegócio deve ter crescimento de 2% em 2017. Pela projeção da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), no entanto, o segmento de carnes terá um ano difícil. Em 2016, custos altos da alimentação, inflação generalizada e arroba do boi estabilizada, trouxeram o desânimo ao mercado. Para 2017, uma coisa parece certa: a oferta de animais deverá ser maior, diferentemente de 2016, caracterizado pela baixa disponibilidade de bois para abate e carne sobrando.

Dispondo mais de gado, os frigoríficos procurarão conter o preço da arroba. A esperança é de um aumento no consumo interno, que caiu em 2016. Um refresco virá com a possível baixa no preço da comida para o gado, principalmente do milho, com as boas safras brasileira e dos EUA.

Analistas aconselham o produtor a gerir bem os custos de produção dando foco também no incremento da produtividade. O preço da arroba não deverá superar os R$ 150, cotação que praticamente pautou os anos de 2015 e 2016.

Ou seja, o momento é de fazer as contas na ponta do lápis e observar as perspectivas para 2017 com cautela.

Pensando em investir na pecuária de corte? Veja mais sobre as raças abaixo e adquira seus animais no site MF Rural acessando http://www.mfrural.com.br

RAÇAS

Escolher as melhores raças de gado de corte e bons exemplares para formar o seu rebanho é essencial para aumentar a produtividade e os lucros do seu negócio.

GUZERÁ

Destaque em produtividade e qualidade da carne. Nos últimos anos, a guzerá foi a raça que mais cresceu em número de associados da ABCZ e foi o animal que mais evoluiu, principalmente na comercialização de touros a campo.

HEREFORD E BRAFORD

São referência em qualidade da carne e ganho de peso. O Braford veio pra possibilitar a melhor adaptação da espécie Hereford (que apresenta alto nível de produtividade) no clima tropical brasileiro. A precocidade do acabamento de carcaça e qualidade da carne é o carro chefe da raça.

SENEPOL

Adaptação, rusticidade e monta natural são destaques da raça. Tem alta capacidade de adaptação, rusticidade, docilidade na hora de manejar, alta libido (o que favorece a monta natural) e uma carne de alta qualidade.

BRAHMAN

Um dos principais pontos é a sua aptidão para o cruzamento industrial. Além de touro possuir uma grande capacidade de cobertura a campo. Quando cruzado com a vaca nelore, gera um desempenho muito interessante.

SIMENTAL

Alta produtividade, adaptação e qualidade de carne são atrativos da raça, que está no Brasil há mais de 110 anos. Estudos aprofundados foram feitos para melhoria do gado e da produtividade dessa raça, e os resultados têm dado muito certo para os produtores desse boi rústico.

LIMOUSIN

Precocidade de terminação e velocidade no ganho de peso são diferenciais da raça francesa, que chegou ao país há 165 anos. O primeiro boi da raça no país teria vindo direto da França, como um presente de Dom Pedro para um amigo.

BLONEL

Com peso acima da média, bezzeros da raça Blonel são destaque em qualidade de carne. Com berço na exigente tradição gourmet francesa, a raça sintética foi desenvolvida no município de Pedreira, no interior paulista, há exatos 22 anos.

ANGUS

O crescimento da raça angus vem sendo vertiginoso no Brasil. Em 2014, a raça bateu recorde na venda sêmen, segundo a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia). Os Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, na região Centro-Oeste, são os maiores produtores de meio sangue do país.

BONSMARA

É destaque em qualidade de carne e se firma no mercado gourmet. No final de todo o trabalho árduo do criador, o que realmente importa é entregar uma carne de qualidade. Pensando nisso, muitos açougues premium em todo o Brasil se preocupam em comprar carne da raça Bonsmara.

NELORE

Nelore, a raça mãe do Brasil, é a alavanca comercial da pecuária nacional. A chegada do nelore no Brasil iniciou no século 19, quando há registro de boiadas vindas da Índia. Hoje, não dá para imaginar o Brasil Central sem esse animal.

CHAROLÊS E CANCHIM

Raças Charolês e Canchim são destaque na produção de carne no país.

DEVON

Rusticidade, docilidade, precocidade sexual e de acabamento de carcaça, fertilidade e grande capacidade de converter um pasto “pobre” em um produto diferenciado e lucrativo são algumas das qualidades da raça Devon.

SINDI

Adaptabilidade e alta conversão alimentar da raça Sindi, além da docilidade e adaptação às adversidades do clima e do terreno atraem casda vez mais pecuaristas.

CARACU

Raça Caracu alcança resultados positivos há mais de 400 anos no Brasil. Cruzado com taurinos ou zebuínos, o gado apresenta precocidade sexual e de acabamento, alta conversão alimentar e produz carne de alta qualidade. E graças a essas características, essa linhagem centenária continua sendo amplamente criada nos quatro cantos do país.

SANTA GERTRUDIS

Produção de carne de alta qualidade destaca bovinos da raça Santa Gertrudis. Além de se destacar pelas características de rusticidade, precocidade sexual e de acabamento, crescimento e habilidade maternal. Atualmente, mais de 50 países possuem a raça. África do Sul e Austrália são seus maiores produtores.

Mais informações sobre gado de corte em http://www.mfrural.com.br/produtos.aspx?categoria2=218&nmoca=animais-bovinos-de-corte