COMO VENDER BEM ATRAVÉS DE ANÚNCIOS

Nós, do site MF RURAL, sabemos que, quanto maior a visualização do seu anúncio, maior a probabilidade de encontrar pessoas interessadas em negociar com você.

Para auxiliá-lo, ainda mais, nessa busca por clientes em potencial, separamos algumas dicas que podem ajudar a otimizar o seu anúncio de forma orgânica.

 

O MELHOR TÍTULO PARA O SEU ANÚNCIO

Esse é um ponto crucial, principalmente porque, é através do título que as pessoas vão encontrar o seu anúncio. É preciso ser objetivo. Diga de forma simples e direta o que você está anunciando. Isso ajudará também nos resultados de sites de busca, como o Google, por exemplo.

 

IMPORTANTE INCLUIR O VALOR 

É extremamente importante que você coloque o quanto quer receber pelo o que você está anunciando. Mas lembre-se: esse não precisa ser o valor final, pois você tem total liberdade de negociar com as pessoas interessadas. Incluir o valor facilita o início da negociação.

  

IMAGEM DO PRODUTO 

Anúncios com fotos têm sempre maior destaque e eficiência.  Dependendo da qualidade da imagem,  ilustram muito melhor o que se pretende vender.

 

CUIDADO ENTRE EXPECTATIVA E REALIDADE

Seja qual for o seu ramo, se você fornece produtos ou presta algum serviço, mostre as pessoas o que você realmente tem a oferecer. A imagem deve mostrar a realidade do que pretende vender. Além de garantir credibilidade, isso poderá ajudá-lo a fidelizar clientes e os mesmos poderão indicá-lo para outras pessoas.

 

Então mãos à obra:

– Utilize uma câmera ou celular que tenha uma boa resolução;

– Fotografe os melhores ângulos, de forma com que o seu possível cliente possa ver os detalhes mais importantes. Isso valoriza ainda mais seu produto ou serviço;

– O Tamanho da imagem pode variar, mas o mais recomendado seria 640×480 pixels.

 

DESCRIÇÃO

UMA IMAGEM VALE MAIS QUE MIL PALAVRAS? NÃO!

 

Depois de mostrar as condições e a qualidade do seu produto ou serviço através das imagens, é hora de detalhar os seus benefícios, diferenciais, informações importantes e complementares para quem está ali preparado para clicar em “Fale com o vendedor”. Então descreva de forma clara e coerente o produto anunciado e convença o comprador em potencial que o que você oferece poderá satisfazer suas necessidades.

 

SEU ANÚNCIO EM DESTAQUE

O MF Rural oferece ainda a possibilidade ao anunciante de ganhar maior destaque, incluindo seu anúncio entre os primeiros, que aparecem logo que o usuário e possível comprador entre no site. Esses destaques estão a disposição de qualquer anunciante e os valores variam conforme a localização e espaço.

Para maiores informações basta acessar a página abaixo ou entrar em contato com seu gerente:
www.mfrural.com.br/destaques.aspx

 

PRONTO PARA ALCANÇAR UM MAIOR NÚMERO DE PESSOAS?

Essas dicas podem aumentar de 20 a 28% a visualização do seu anúncio. Então aproveite esse alcance, ative seu plano, caso ainda não tenha feito e comece a fazer ótimos negócios!

Para mais informações, sobre anúncios e planos, entre em contato com a gente!

Equipe MF Rural
www.mfrural.com.br
(14) 3401-4400

Frutíferas em vasos. Como cultivar?

 

 

Dá para saborear uma fruta colhida no pé morando na cidade, num apartamento ou casa pequena? Claro que sim! As frutíferas podem ser plantadas em vasos e produzir belos e deliciosos frutos da mesma forma que acontece no plantio no solo. A única diferença é que no plantio em vasos o solo deverá ser mais estruturado em sua nutrição do que no cultivo tradicional. E a reposição dos nutrientes deverá acontecer durante várias vezes no ciclo de cultivo da planta.

Mas é preciso estar consciente de que, por mais que os vasos caibam em espaços pequenos, as frutíferas necessitam de várias horas diária de luz direta do sol. Uma sacada bem ensolarada, um terraço ou mesmo um pátio é fundamental.

Quais plantas frutíferas podem ser plantadas em vasos?

Abaixo algumas espécies que se adaptam ao cultivo em vaso, frutificando com vigor e qualidade:

 

Romã 

A romãzeira, além de ter frutos deliciosos, ainda apresenta uma belíssima floração, com flores carnosas e dobradas. Ela se adapta tão bem aos vasos que pode ser cultivada inclusive como bonsai, em formatos miniaturizados e muito elegantes.

 

Limoeiro 

As variedades de limões se adaptam incrivelmente aos vasos, muitas vezes carregando de enormes e perfumados limões. Escolha variedades produtivas, preferencialmente enxertadas e já produzindo para plantar em vasos.

 

Laranjeira 

Escolha uma planta enxertada, preferencialmente de porte anão e que já esteja produzindo. Aprecia regas frequentes e muito sol para manter a saúde. Evite chegar a copa fechada, tipo arbustiva, pois reduz a produtividade e aumenta a chance de doenças e pragas se instalarem.

Laranja-kinkan 

Essa laranjeira é ideal para vasos, pois possui naturalmente menor porte e frutos pequenos, ficando não apenas proporcional, mas linda e produtiva se bem cuidada. Aprecia meia sombra.

 

Mexerica 

 

Essa tem um gostinho especial de infância, pois não precisa nem de faca para saborear. A gente descasca com as mãos e já fica aquele perfume. Cuide da mesma forma que laranjeiras e limoeiros, com boa fertilização, regas e podas de limpeza e formação. Escolha variedades produtivas, preferencialmente enxertadas e já produzindo, para plantar em vasos.

 

Manga 

Por incrível que pareça, as mangueiras, árvores tão imponentes, de folhas e frutos grandes, também podem ser cultivadas em vasos. Elas têm necessidade de água e luz, mas se adaptam bem aos vasos. Escolha variedades anãs, que produzam mesmo com pequeno porte.

 

Jabuticaba 

A jabuticabeira é uma das árvores preferidas para plantar em vasos. Compre plantas da variedade Sabará, anã e que já estejam produzindo. A jabuticabeira é especialmente exigente em água. Não deixe faltar no período de floração e frutificação.

 

Pitanga 

Uma espécie nativa, de pequeno porte e com os frutos mais deliciosos e perfumados. Além disso, são difíceis de encontrar em supermercados e quitandas, sendo comum que pessoas que crescem nas cidades nunca terem provado pitanga. Uma fruta tão brasileira e que ajuda a alimentar a fauna silvestre também. Atualmente ainda há uma variedade arbustiva, de enfolhamento denso, que além de produzir pitanga, torna-se um elegante arbusto, podendo ser até mesmo topeado.

 

Araçá 

Outra frutífera nativa do Brasil, com um sabor do campo, que lembra a goiaba. Escolha preferencialmente variedades anãs, de frutos vermelhos ou amarelos. Rústica e fácil de cuidar.

 

Maçã 

 

A frutífera favorita nos Estados Unidos e Europa, para plantar em vasos. Lá há disponibilidade de árvores de porte anão, que produzem muito, mesmo bem pequenas. Pode ser uma opção interessante em locais de clima mais temperado a subtropical.

 

Figo 

Uma árvore exótica, mas muito bem adaptada. As figueiras também são ótimas para plantar em vasos e obter seus deliciosos frutos. Cuide com as podas, para formar uma árvore de copa limpa e bem arejada, mantendo assim sua saúde e estimulando a produção de frutos.

 

Goiaba 

 

Outra nativa muito fácil de cuidar e boa para vasos. E é incrível como o sabor de goiaba arrancada do pé é diferente das goiabas compradas. As compradas sempre me passam a sensação de serem verdes, indigestas e grandes demais. Coma goiaba in natura, ou prepare compotas, goiabada, molhos, etc, com sua própria goiabeira cultivada em vasos. Cuide para que não falte água e fertilizantes.

 

Acerola 

 

Já pensou ter sua dose de vitamina C diária ao alcance das mãos? A acerola é uma fruta riquíssima e saborosa. Ideal para sucos refrescantes. E adivinha só? É perfeita para plantar em vasos. Gosta de sol, calor e regas frequentes.

Há outras espécies que se adaptam bem a vasos, entre essas podemos citar a cerejeira-do-rio-grande, cerejeira, ameixeira, pessegueiro, pereira, amoreira, abacateiro, nectarina, lichia, framboesa, entre outras.

 

 

Seguem algumas dicas importantes e práticas para o cultivo:

Vaso e terra

 

Para cada árvore de frutos você precisará de um vaso que contenha 20 litros de terra, pelo menos e, é importante que haja espaço para as raízes se expandirem (vasos bojudos são bem adequados). Prepare a terra para estes vasos com uma mistura de 50% de terra orgânica, preta, pesada, e 50% de areia média de construção (areia de rio lavada). No fundo do vaso, até uns 15cm da altura, faça a cama de drenagem com pedriscos, cacos de telha ou tijolo (não se esqueça de que o vaso deverá ter alguns furos no fundo, para escoamento da água).

Sol e luz

As frutíferas só darão bons frutos se tiverem sol e luz durante, pelo menos, 6 horas, todos os dias.

Adubação

Você deverá fornecer à terra de cada vaso os nutrientes necessários – nitrogênio, fósforo, potássio deverão ser incorporados à terra algumas semanas antes de você instalar a muda frutífera – e os micronutrientes que cada planta requer e que você identifica pela coloração das folhas. Um “plus” de fertilização deverá ser feito antes da época de frutificação, quando as flores começam a abrir, e você poderá usar composto orgânico bem curtido, torta de mamona e cinzas, ou líquido fertilizante que se faz com restos orgânicos batidos com água.

Irrigação

Dependendo do clima da sua região, uma frutífera em vaso precisará de até 3 regas por semana. Você pode fazer as regas em dias fixos reduzindo a quantidade em períodos de chuva e aumentando em época de muita seca. Também pode fazer a rega com o líquido fertilizante de que falei acima e para o qual existem diversas fórmulas.

A cada R$ 1,00 aplicado pela Embrapa em 2017, R$ 11,06 foram devolvidos para a sociedade

 

Segundo dados do Balanço Social da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), divulgados recentemente, para cada real aplicado pela instituição em 2017 foram devolvidos R$ 11,06 para a sociedade. O lucro social foi de R$ 37,18 bilhões, gerados a partir da adoção de 113 tecnologias e de cerca de 200 cultivares pelo setor agropecuário.

Segundo Antonio Flavio dias Ávila, pesquisador e supervisor de Avaliação de Desempenho Institucional da Secretaria de Desenvolvimento Institucional (SDI) e líder dos estudos de avaliação de impacto da Embrapa, “o lucro social deriva de benefícios econômicos obtidos por quem adota tecnologias disponibilizadas pela empresa”. “Quando relacionamos os benefícios econômicos com a receita operacional líquida anual, temos o que chamamos de retorno social ou lucro social”, explica Antonio.

Ele diz que, “se considerarmos o fluxo de benefícios econômicos e de custos das tecnologias, a taxa interna de retorno média é de 36,2%”. Para chegar ao resultado de R$ 11,06 devolvidos à sociedade, o balanço relaciona indicadores laborais, sociais e as tecnologias desenvolvidas e transferidas à sociedade.

Entre o conjunto de tecnologias e cultivares destaca-se a contribuição na tropicalização do trigo, com o desenvolvimento do cultivar BRS 404, específica para cultivo em sequeiro nos cerrados. A cultivar de soja BRS 7380RR resistente aos principais nematoides de solos – vermes microscópicos – posiciona a Embrapa na liderança numa área que havia sido dominada pela genética importada.

 

A parceria com a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) e a Olimpo Informática, permitiu, no âmbito da produção animal, a criação da Plataforma de Qualidade – Carne Bonificada. A ferramenta integra todos os elos da cadeia da qualidade da carne nacional e simplifica a adesão dos produtores a protocolos de raças e às exigências dos diferentes mercados importadores. Atendidos os requisitos estabelecidos nos Programas de Certificação de Raças Bovinas, os bois abatidos recebem selos de qualidade que proporcionam ao produtor o pagamento de bonificação.

O balanço destaca, na agricultura familiar, o desenvolvimento da BRS Zamir, cultivar que já ocupa 10% da área plantada com tomate-cereja, mais produtiva, tolerante ao principal fungo que ataca o tomateiro e com alto teor de licopeno.

A Embrapa disponibiliza sua produção técnico-científica diretamente na internet. Só em 2017, o total de downloads dos conteúdos alcançou 24,5 milhões. Já o Programa Prosa Rural ganhou diversas versões na Web, inclusive aplicativo para celular.

Ora-pro-nóbis, a planta que salva

 

Dentre as folhas com uso potencial na alimentação humana, uma das que mais têm conquistado as pessoas é a Pereskia Aculeata, conhecida popularmente como ora-pro-nóbis, trepadeira limão e groselha-de-barbados. É uma trepadeira semi lenhosa e arbustiva que, no Brasil, ocorre da Bahia ao Rio Grande do Sul e na região Noroeste do estado do Paraná, encontradas na forma de trepadeira em matas secundárias.

Suas propriedades já são muito conhecidas, principalmente pelas pessoas que vivem nas zonas rurais, e a cultivam em seu quintal como remédio e alimento. Foi a partir desse conhecimento popular que a ora-pro-nóbis passou a chegar às grandes cidades.

É possível seu cultivo em ambiente em casa, uma vez que pega bem em qualquer tipo de solo, não exige cuidados específicos, se propaga com facilidade. Tem espinhos e pode ser usada em cercas-vivas, se desenvolvendo bem tanto à sombra como ao sol.

A ora-pro-nóbis é propagada por meio de estacas plantadas em solo fértil enriquecido de matéria orgânica e, depois de enraizadas, são transplantadas para o local definitivo. Em épocas de chuva pode ser plantada diretamente em local definitivo. Seu desenvolvimento, quando feito por estaquia, é lento nos primeiros meses, mas após formação das raízes tem o crescimento bastante acelerado.

 

BENEFÍCIOS

 

A ora-pro-nóbis é uma das maravilhas da medicina alimentar, que contém uma ampla gama de compostos cada vez mais reconhecidos como essenciais para a saúde humana. Tem altos níveis e quantidades significativas de fibras, vitaminas A, B, C, ferro, magnésio, manganês, potássio, cálcio e cobre. Além disso, os compostos antioxidantes poderosos (carotenoides) completam este arsenal de Fito nutrientes e compostos orgânicos benéficos.

Os pesquisadores veem evidências de que o consumo da hortaliça reduz a pressão arterial e os níveis de colesterol, assim como tornam o sangue menos propenso a formar coágulos.

Alguns dos benefícios para a saúde da ora-pro-nóbis incluem sua capacidade para ajudar a perder peso, aumentar a saúde do coração, ajudar no desenvolvimento das crianças, o tratamento de certas doenças gastrointestinais, prevenir certos tipos de câncer, proteger a pele, aumentar a visão, fortalecer o sistema imunológico, construir ossos fortes e aumentar a circulação.

Suas folhas são empregadas como emoliente e consumidas como fonte alimentar, sem índice de toxicidade. As folhas de Pereskia Aculeata possuem importantes qualidades nutritivas, como alto teor de carboidrato, lisina, cálcio, fósforo, magnésio, ferro, cobre e, principalmente, alto teor de proteínas, o qual apresenta acima do necessário para consumo humano recomendado pela Food and Agriculture Organization (FAO).

Apesar de pouco estudada cientificamente, sabe-se que é rica em proteínas essenciais, o que a faz de grande utilidade no combate à desnutrição em seres humanos. Desta forma, destaca a possibilidade do seu uso como fonte de proteína foliar na alimentação humana.

O valor proteico de um alimento é determinado pela sua composição em aminoácidos essenciais, sendo que o aproveitamento biológico dos aminoácidos (biodisponibilidade) depende também da digestibilidade da proteína. Sendo assim, o perfil aminoacídico fornece boa indicação da qualidade de proteínas alimentares, e tem como funções participar da construção e manutenção dos tecidos, formação de enzimas, hormônios e anticorpos, fornecimento de energia e regulação de processos metabólicos. Além do nitrogênio, os aminoácidos fornecem compostos sulfurados ao organismo

As folhas de Pereskia Aculeata têm sido utilizadas pela Pastoral da Criança na produção da multi mistura, empregada no tratamento preventivo e curativo da desnutrição infantil em comunidades carentes. Podem ser consumidas como refogados e sopas, na forma de farinha preparando tortas, macarrão, biscoitos, pães e bolos de alto teor proteico.

DIA DO CACAU, O FRUTO DE OURO

Por Marcelo Franco

 

Hoje, 26 de março, é o Dia do Cacau, sinônimo de chocolate e chamado fruto de ouro por conta da sua alta lucratividade e versatilidade.

O fruto proveniente da América Central é cultivado em cerca de 17 milhões de hectares em todo o mundo.

Foi ganhando importância econômica no mundo com a expansão do consumo de chocolate e com isso, várias tentativas foram feitas visando a implementação da lavoura cacaueira em outras regiões com condições de clima e solo semelhantes às de origem. Assim suas sementes foram se disseminando gradualmente pelo mundo.

NO BRASIL

O Brasil assumiu o posto do quinto maior produtor de cacau do planeta, ao lado da Costa do Marfim, Gana, Nigéria e Camarões.

O fruto adaptou-se bem ao clima e solo do Sul da Bahia, região que produzia 95% do cacau brasileiro, ficando o Espírito Santo com 3,5% e a Amazônia com 1,5%, até o ano de 2016. [Editado]

Cerca de 90% de todo o cacau brasileiro é exportado, gerando importantes divisas para o país.

Segundo informações atualizadas, o Pará consolidou sua posição de maior produtor de cacau em grão do país. Sozinho, o estado responde por quase 50% da produção nacional, à frente da Bahia, segunda colocada. Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de junho/2017, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

VERSATILIDADE

O cacaueiro sempre foi cultivado para aproveitar apenas as sementes de seus frutos, que são a matéria-prima da indústria chocolateira. Mas, do fruto do cacaueiro, é possível extrair outros subprodutos.

O suco da polpa do cacau possui sabor bem característico, considerado exótico e muito agradável ao paladar, assemelhando-se ao suco de outras frutas tropicais. É fibroso e rico em açúcares (glicose, frutose e sacarose) e também em pectina.

Com esta mesma polpa é possível produzir também geléias, destilados finos, fermentados – a exemplo do vinho e do vinagre – e xaropes para confeito, além de néctares, sorvetes, doces e uso para iogurtes.

A casca do fruto do cacaueiro, também pode ter aproveitamento econômico. Ela serve para alimentar bovino, tanto in natura como na forma de farinha de casca seca ou de silagem, como também para suínos, aves e até peixes. A casca do fruto do cacaueiro pode ainda ser utilizada na produção de biogás e biofertilizante, no processo de compostagem ou vermicompostagem, na obtenção de proteína microbiana ou unicelular, na produção de álcool e na extração de pectina. Uma tonelada de cacau seco produz oito toneladas de casca fresca.

Agronegócio no Brasil: região sul se consolida como zona estratégica

O agronegócio no Brasil tem se desenvolvido cada vez mais. Na região Sul os destaques são a pecuária e a tecnologia para aumento da produtividade.

Ultrapassando desafios e superando expectativas, o agronegócio no Brasil têm se tornado cada vez mais desenvolvido. Apesar da instabilidade na economia, nosso país é considerado uma potência mundial.

A diversidade de paisagens e climas é um dos fatores que favorece o segmento e as particularidades de cada região permitem que o Brasil produza vários tipos de culturas.

Região Sul

No caso da região sul, o clima ameno e as chuvas bem distribuídas ao longo do ano favorecem uma série de cultivos. Apesar de ser a menor região do país em área, ela é de suma importância para o agronegócio no Brasil.

Neste post, você confere qual é o cenário atual da agropecuária no sul do Brasil, incluindo a riqueza produzida, os principais produtos e tendências. Veja:

Qual é o peso da região sul no agronegócio do Brasil?

O sul do Brasil tem uma das economias mais dinâmicas do país. Na agropecuária, não é diferente: dois de seus estados estão entre os 5 principais exportadores desse segmento a nível nacional: Rio Grande do Sul e Paraná ocupam a terceira e quarta posições, respectivamente.

Os gaúchos estão entre os mais competitivos: só o estado do Rio Grande do Sul acumula mais de 10% das exportações do agronegócio brasileiro.

Qual é a importância do agronegócio para a economia do sul?

O agronegócio ocupa um lugar importante na economia sulista. Em 2013, as exportações da agropecuária local representaram mais de metade de suas exportações totais.

A importância desse segmento é particularmente expressiva no Paraná. Neste estado, a agricultura e a pecuária representaram 65% das exportações do estado, gerando uma renda que superou os US$ 11 bilhões.

No caso do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, a importância das exportações do agronegócio é um pouco menor, mas nem por isso deixa de ser significativa. O agronegócio representou 46,76 e 50,93% de suas pautas exportadoras, gerando uma renda de US$ 11,6 bilhões e US$ 4,4 bilhões, respectivamente.

Principais culturas do sul do Brasil

O clima, a cultura e as características gerais do sul do Brasil faz com que haja duas culturas especialmente importantes para o agronegócio da região: a soja e o tabaco. Além disso, a pecuária também tem um papel importante na economia e cultura locais.

Rio Grande do Sul é líder no plantio de fumo

O Brasil produz mais de 10% das folhas de tabaco do mundo. De acordo com a Associação de Fumicultores do Brasil (Afubra), 98% dessa produção vem do sul do país. Sua cadeia produtiva envolve cerca de 615 mil pessoas e gera uma receita bruta anual que gira em torno dos R$ 5 bilhões.

É inegável que o Rio Grande do Sul é estado que se destaca na cultura do fumo: dos 20 maiores produtores, 12 são desse estado. Apesar de a cidade gaúcha de Santa Cruz do Sul ser conhecida como a capital nacional do fumo, na safra 2014/2015 a campeã de produção foi a também gaúcha Venâncio Aires, que colheu mais de 20 mil toneladas de tabaco.

produçao soja no rs e parana

Produção de soja no Rio Grande do Sul e Paraná

Líder em produção nacional, o Mato Grosso é o estado da soja por excelência. Entretanto, logo depois dele estão Rio Grande do Sul, com uma produção que beira as 19 milhões de toneladas, e o Paraná, cuja produção supera um pouco essa cifra.

Os números apontam que o sul é a segunda região que mais produz soja no país, com um rendimento que beirou as 80 milhões de toneladas na última safra. Perde apenas para o Centro-Oeste.

Pecuária gaúcha lidera exportações

A cultura do churrasco gaúcho é uma das primeiras coisas que vêm à mente das pessoas quando elas pensam no sul. De fato, o Ministério da Agricultura e Pecuária afirma que esta última representa 65% das exportações desse estado.

Entretanto, a pecuária é de suma importância para a região como um todo. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que há uma tendência de deslocamento dessa indústria, do Sudeste e do Centro-Oeste, em direção ao Sul. Ou seja: ao que tudo indica, essa indústria deve crescer – principalmente o gado leiteiro, que atualmente não é tão forte na região.

Principais tendências do agronegócio no sul do Brasil

Os principais avanços tecnológicos observados no agronegócio sulista são relativos à pecuária: os produtores da região têm investido em técnicas para o aumento de produtividade, como o aprimoramento genético, o uso de rações específicas para o ganho de peso além do tradicional farelo de soja, a ordenha mecânica, etc.

A efetividade dessas estratégias, junto com o crescimento projetado pelo IBGE, faz com que essas tecnologias tendam a se expandir.

Além disso, com os consumidores cada vez mais conscientes e exigentes, abre-se o espaço para a soja orgânica. Pouco a pouco, são desenvolvidas novas tecnologias que prometem melhorar a sua produtividade. É outra tendência para ficar de olho!

Soja é destaque na colheita do Tocantins

branding-design-sementes-soja

O estado do Tocantins estima que sua produção total de grãos para a safra atual será de 3,8 milhões de toneladas, proporcionada pelas culturas de  arroz, milho e soja, sendo a soja o principal item  desse crescimento com montante estimado em 2,2 milhões de toneladas.

Grande tem sido o empenho dos organismos locais em promover o aumento e qualidade da produção de soja no Tocantins, seja pelo mapeamento dos vários tipos de solos, incentivos á  utilização  de tecnologias modernas e aproveitamento de áreas com pastagens degradas, que ultrapassam os 5 milhões de hectares.

Com técnicas simples e eficazes, o Estado busca melhorar cada vez mais sua produção, incentivando e oferecendo aos agricultores os meios necessários para tanto.

Por caracterizar-se por uma diversidade de solo em área relativamente pequena, a cultura de soja no Tocantins é uma das que mais utilizam sistemas de “agricultura de precisão”.

A implantação de meios de escoamento da produção agrícola do Tocantins tem chamado a atenção de empreendedores e novos produtores quanto ao aproveitamento e utilização de hidrovias e ferrovias sendo disponibilizadas na região.

 


Veja aqui alguns produtos mencionados acima: soja.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Saiba como cultivar café e entre para o agronegócio

saiba-como-cultivar-cafe

Introduzido no Brasil nos primórdios do Século XVIII, o café é a cultura perene mais desenvolvida da agricultura brasileira, sendo por vários anos nosso mais importante produto de exportação, e que fez do Brasil seu maior produtor mundial.

Nestes 3 séculos de cultivo de café, muita evolução houve quanto ao plantio, cultivo, manejo e modalidades de comercialização, sempre indo ao encontro do aumento de produtividade por área plantada, racionalização da mão de obra, redução de custos e expressividade de ganhos.

Seja qual for a dimensão da área disponível para cultivo de café, a necessidade de aprimoramento e conhecimento técnico são imprescindíveis para a atividade. Fatores como região, topografia, qualidade de solo, média de temperaturas e pluviosidade, são de extrema importância na produção de café, que deve cada vez menos depender de mão de obra braçal.

Variedades de sementes e mudas, técnicas modernas de manejo, constantes inovações tecnológicas em equipamentos e conhecimento de mercado ainda mantém o Brasil como maior produtor mundial de café.

 


Veja aqui alguns produtos mencionados acima: cafésoloequipamentos.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Os 3 passos para o cultivo de orgânicos

Beneficios-de-consumir-alimentos-organicos

Saudável e sustentável, a cultura de alimentos orgânicos ganha cada vez mais preferência e espaço no mercado consumidor e consequentemente cresce sua produção nas áreas rurais.

Com crescimento anual  em torno de 30%, essa atividade tem se mostrado uma alternativa prática e mais rentável para pequenos e médios produtores.

Para a produção e comercialização de “alimentos orgânicos”, sejam eles de origem vegetal ou animal, o produtor deve atender  normas específicas para este fim, dentre as quais enumeramos alguns requisitos básicos:

– Não utilização de produtos químicos , principalmente os sintéticos, na adubação de plantas, controle de pragas e alimentação de animais. Tudo deve ser feito à base de produtos orgânicos,  tais como farelos de grãos e vegetais. Especificamente quanto a adubos, utilizar uma mistura fermentada de farelos de grãos e terra, denominada “bokashi”.

– Uso responsável dos recursos naturais: controle racional do uso do solo com boas práticas de rotação de culturas, manutenção das fontes de água com preservação e manutenção de leitos e nascentes, e a reutilização de palhas, estercos e outros resíduos formam o conjunto que mantem naturalmente as condições da produção de produtos orgânicos.

– Obtenção da certificação de “produtos orgânicos” se faz necessária para a livre comercialização destes produtos. Esta certificação é obtida por auditoria realizada e acompanhada pela Coordenação de Agroecologia da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, do Ministério da Agricultura.


Veja aqui alguns produtos mencionados acima: orgânicosadubaçãobokashisolo.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Doenças na cultura da safrinha de milho

1370628008

Ano após ano, a safrinha de milho tem se tornado uma atividade lucrativa e importante. Apesar da força e sistema produtivo com área estimada de 8,13 milhões de hectares em 2015, esse tipo de cultura é influenciado por diversos fatores: logística, mercado, instabilidade política, câmbio, entre outros.

Um dos principais desafios encontrados nas fazendas cuja dedicação é redirecionada à cultura do milho, é o manejo das doenças acometidas à essa cultura. As doenças presentes são várias e afetam diferentes localidades da planta: doenças foliares, que reduzem a taxa fotossintética, que atacam o colmo, o acabamento, que atacam as espigas e os grãos. Cada doença tem sua particularidade e é diretamente ligadas as interações da tríade ambiente + patógeno + hospedeiro.

O passo inicial ao combate dessas doenças é saber que não se pode adotar uma estratégia de manejo que atenda de maneira global todas as necessidades. Deve-se saber inicialmente o quanto você deseja produzir. Respondida essa questão, define-se a estratégia que será tomada, de acordo com o tamanho da produção. Definir os híbridos explorando a combinação de produtos que atendam às necessidades de semeadura, abertura, meio e fechamento é essencial. Deve-se escolher o híbrido certo para o hectare certo.

Nas janelas de abertura e meio de semeadura deve-se optar por híbridos com maior potencial genético. Para o fechamento, recomenda-se os mais rústicos e tolerantes a estresses ambientais. Essa diferença deve ser respeitada no manejo de doenças, mesmo que a mesma estratégia nem sempre seja de sucesso para todas as situações.
e é preciso atentar-se às doenças de maior evidência na região do plantio. O ambiente é fator determinante número um na ocorrência de possíveis doenças na cultura de milho.

No centro do Brasil, por exemplo, há ocorrência de diferentes doenças relacionadas à altitude e temperatura local. A incidência da doença pinta branca (phaeosphaeria maydis) é percebida no sudoeste goiano, mas não é vista no estado de Mato Grosso, por exemplo. Devemos nos atentar às peculiaridades de cada microrregião para que o manejo correto seja colocado ação, associando o uso de híbridos tolerantes e épocas de semeadura com o manejo químico. Para posicionar híbridos na janela de plantio, o fundamental é observar a interação do patógeno com o ambiente. Isso evita que a exposição do híbrido esteja favorável ao desenvolvimento de determinados agentes patogênicos.

O manejo químico das doenças tem influência direta no combate das mesmas. A aplicação defungicidas na cultura do milho, por exemplo, é recomendada e vem sendo cada vez mais difundida. De uma a três aplicações, dependendo da situação, a prática é bastante comum quando o objetivo é o máximo potencial produtivo.  Mas, uma questão crucial é: todo fungicida vale para todas as doenças? A resposta para essa pergunta você encontra clicando AQUI.