RAÇA SINDI É DESTAQUE NAS REGIÕES NORTE, NORDESTE E SUDESTE

 

O gado da Raça Sindi surgiu na região chamada de Kohistan, na parte norte da província de Sindi, no atual Paquistão. Esta região é desértica e seca, o que ajudou a raça a se adaptar com o clima tropical brasileiro.

Dados históricos indicam que as primeiras importações da raça ao Brasil ocorreram por volta de 1850. Mas somente em 1930, através do criador Ravisio Lemos, a raça estabilizou-se no país. Outro nome que acreditou e trouxe o Sindi para o país, foi o Felisberto de Camargo, que em 1952 carregou 32 animais num avião.

A vinda da raça para o país foi quase uma novela. Na época das negociações com o governo, Camargo não conseguiu o apoio para a entrada deles, ou seja, os animais foram impedidos de chegar ao seu destino final, que era o Pará.

O gado importado ficou retido por cerca de três anos em Fernando de Noronha. E depois de tanta burocracia, os animais conseguiram entrar no estado paraense para abastecer o mercado com produtos lácteos.

A raça Sindi é uma espécie mais explorada no nordeste brasileiro, região que corresponde a 77,16% da criação no país. O cruzamento desta raça faz com que o potencial do gado Sindi se torne ainda mais expressivo.

Segundo o Diretor-secretário da Associação Brasileira dos Criadores de Sindi, Arthur Abdon Targino, criar esta raça é muito prazeroso, pois além de ser facilmente adaptável ao ambiente, é eficaz em suas produções. “Rústica, a raça consegue converter as pastagens mais grosseiras em carne e leite, e é um zebuíno bastante precoce”, afirma ele.

O Sindi apresenta uma estatura pequena, porém com grande profundidade, possui pelagem avermelhada, variando do amarelo-alaranjado ao castanho. Os machos são mais escuros. Eles apresentam uma tonalidade mais clara no focinho, barbela, testa e no ventre. Os pelos são finos, curtos e brilhantes. Além de ser um animal rústico, o Sindi é sadio, vigoroso e dócil.

O gado também produz uma boa carne. Se adapta facilmente em pastagens de baixa qualidade, e apresenta resistência à febre aftosa, doença que chega a matar bovinos no Brasil.

 

 

As vacas desta raça podem ser criadas como zebu leiteira. Neste tipo de produção, vacas Sindi e animais de raças europeias geram bons resultados para a pecuária. A atividade principal da raça, como já foi mostrada aqui, é a produção de leite, e os resultados variam de acordo com a seleção e conforme a região.

No próximo dia 10 de outubro o site MF Leilões transmitirá mais um grande leilão da Raça Sindi, com belíssimos animais da Fazenda Asa Branca, município de Cidade Ocidental, GO. O leilão será transmitido 100% online, a partir das 20 horas.

 

Confira os detalhes do leilão:

– 05% de desconto no pré lance;

– Bezerras, novilhas e vacas prenhas, vacas paridas e touros;

– Localização: Cidade Ocidental, Goiás (55 km de Brasília);

–  Animais rústicos para carne e leite, em regime 100% campo;

– 30 Parcelas (2 + 2 + 2 + 24);

– 20 anos de seleção;

– A melhor genética Sindi;

– 100 km de frete grátis por animal.

 

Link para o pré lance: http://www.mfleiloes.com.br/leilao.aspx?leilao=4035&tit=leilao-virtual-sindi-asa-branca

 

 

FAZENDA FLORESTA RBB E LABORATÓRIO REPROLL

Excelência na qualidade e nos resultados dos processos de criação de GIR e Girolando

Dra. Roberta Bertin Barros, proprietária e administradora da Fazenda Floresta RBB, em Lins, SP.

 

Reportagem e texto

Marcelo Franco Martins

 

No Brasil e no mundo, parcerias são a chave para ótimos resultados nos processos do mercado agropecuário, esse grandioso e cada vez mais potencial setor da economia.

Grupo MF Rural, na direção desse fluxo contínuo e dinâmico, procura estabelecer vínculos de parceria com grandes empresas e projetos.

Um desses casos promissores é a recente parceria com a Fazenda Floresta RBB, da médica veterinária e administradora Dra. Roberta Bertin Barros, de Lins, SP.

A equipe do MF Rural participou de um Dia de Campo na linda propriedade da Fazenda Floresta e fizemos entrevista com a Dra. Roberta.

Sempre muito simpática respondeu nossas perguntas:

 

MF Rural – Como começou tua carreira na agropecuária?

Dra. Roberta – Me formei em medicina veterinária  em 1995 e  Administração de Empresas em 2003.

O laboratório de FIV (fertilização in vitro) foi  montado em 1998.

Na época trabalhávamos  na seleção de Nelore PO, todos registrados na ABCZ , sendo a reprodução toda  feita através do método FIV.

Em  2009, juntamente  com o Nelore, fomos adquirindo animais da raça  GIR leiteiro dos mais renomados plantéis do Brasil .

Em 2010 começamos a produzir as  primeiras  ½ sangue Girolando para comercialização.

No ano de 2012 finalizamos o trabalho com Nelore PO e focamos na genética e produção de leite.

 

Entrevista realizada no dia 04 de julho de 2018, durante Dia de Campo.

 

MF Rural – E como está a Fazenda Floresta hoje?

Dra. Roberta – Nossa produção atual é de 10 mil litros ao dia, com 370 vacas em lactação. Temos um lote de 150 Gir PO, doadoras de embrião para a evolução do plantel.

Hoje a propriedade possui 2 ordenhas com  capacidade para 600 vacas em lactação.

Também mantemos 2 pivôs de 18 hectares cada. Um biodigestor com capacidade de 770 mil litros para reaproveitamento do biofertilizante.

 

Bezerra criada pela Fazenda Floresta RBB. Foto: Marcelo Franco

 

MF Rural – Vocês possuem laboratório próprio de Fiv, não é?

Dra. Roberta – Sim. Todos os nossos animais são desenvolvidos em nosso laboratório, chamado Reproll:  com isso, em todos os animais são feitos DNA, todos são registrados e  possuem lactações oficiais em suas respectivas associações de raça.

O Reproll desenvolve serviços a terceiros também, de diferentes raças.

Nosso índice gira em torno de 60 a 65% de prenhez em novilhas receptoras e, para as vacas em lactação, temos índice em torno 45 a 50%.

O melhoramento genético é feito através rigorosas avaliações e seleção das doadoras acasaladas com os melhores touros mundiais HPB.

Comercializamos animais de todas as idades e também programas de embriões.

 

Entrada do Laboratório Reproll. Foto: Marcelo Franco

 

MF Rural – E o sistema de pivôs da Fazenda, que hoje se tornou referência no Brasil, como funciona?

Dra. Roberta – Com os pivôs e nossa região de clima tropical, sempre conseguimos fazer uma adubação de precisão e – consequentemente, alta produção de forragem por hectare de altíssima qualidade – chegando a 23% de PB (proteína bruta) a baixo custo. A lotação de verão é de 15 a 16 UA/ha e inverno 8 UA/ha, tendo a possibilidade de se fazer a sobre semeadura de aveia e azevém no tifton 85.

Com o apoio do pivô instalamos uma linha independente para refrescamento das vacas para os horários mais quentes do dia. Sempre pensando no melhor conforto e bem estar dos animais.

Participamos de um curso com o nome de Cow Signals, onde fomos avaliados em bem estar animal durante o período de lactação.

Tiramos 88 pontos, que é o maior pontuação entre as 25 propriedades avaliadas em todo o Brasil.

Tivemos o melhor desempenho pois, neste sistema o animal fica em seu próprio habitat natural (pasto).

Nós brincamos aqui que nosso pasto é nossa horta. Estamos cuidando da nossa horta.

Os animais também recebem resfriamento com ventiladores e aspersores na sala de espera.

 

MF Rural – Fale um pouco da qualidade do leite produzido aqui.

Dra. Roberta – Hoje buscamos exportar leite do Brasil. Chega de importar.

A ½ sangue produz um leite de altíssima qualidade.

A qualidade do nosso leite tem os seguintes índices: gordura 4,06, proteína 3,68, lactose 4,65, CCS 287, CBT 13.

 

MF Rural – Como anda a relação da Fazenda e do Laboratório com outros países da América Latina?

Dra. Roberta – Estamos licenciando nosso laboratório para exportação de embriões. Já temos uma demanda grande para outros países.

Também estamos em processo de aprovação do SIF (Serviço de Inspeção Federal), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Em breve poderemos ampliar nossa participação no mercado, mostrando a genética brasileira, o melhoramento que foi feito no sistema de produção leite nos trópicos, a pasto. O Girolando é um gado resistente, que consegue converter bem o capim, com alta produção. Isso praticamente mudou a história da genética em relação a espécie.

Esses resultados conseguimos através do melhoramento genético e correta seleção dos animais.

Países como Colômbia, Guatemala, Panamá, Paraguai, Bolívia, México e África do Sul estão entre os que se interessam pelo nosso trabalho.

 

Equipes MF Rural e Fazenda Floresta RBB, durante Dia de Campo. Foto: Marcelo Franco

 

MF Rural – E a parceria com o MF Rural, tem sido produtiva e rentável?

Dra. Roberta – Nós estamos gostando muito. É uma parceria que veio para ficar. O modo de divulgação do sistema é praticamente todo feito pela internet e é muito eficiente. Isso independente de onde o produtor estiver  acessando o site, em todas as plataformas disponíveis. O nível de transparência do pessoal que cuida de todo o processo é o melhor que já tivemos. O MF Rural está de parabéns!

Projeções mostram o árduo caminho para a recuperação da pecuária de corte

 

 

O Brasil possui o maior rebanho de gado bovino do mundo, com 214 milhões de cabeças. Somos também o maior exportador de carne bovina. Porém, apenas 20% da produção é encaminhado ao exterior. O restante é consumido pelo mercado interno. Levando em conta as análises de especialistas tanto as exportações quanto o consumo interno tendem a crescer nos próximos dois anos.

OTIMISMO

A ABIEC, associação que representa as empresas exportadoras de carne,  prevê este ano uma exportação de carne bovina em torno de 1,76 milhões de toneladas, 20% a mais que no ano passado, o que pode representar um recorde histórico. Até então o maior volume exportado foi em 2007, quando foram embarcadas 1,62 milhão de toneladas.

Uma das explicações para tal projeção é a demanda que virá da Ásia, especialmente da China e Japão. O real desvalorizado torna o nosso produto mais acessível.

Um novo mercado a ser explorado é o norte-americano e mexicano. Há expectativa de que o mercado de carne in natura dos Estados Unidos seja definitivamente aberto. O México por sua vez, pode reduzir os impostos para o a carne brasileira.

MERCADO INTERNO

É fato que a carne bovina vem registrando queda no consumo interno. Mas o motivo é o preço elevado. Carne de frango e suína são mais baratas do que carne vermelha, que é logo substituída em tempos de crise e desemprego. No entanto o mercado dá sinais de reação e caso ocorra a retomada da atividade econômica, haverá mais vagas de emprego e gente com maior poder de compra.

O ano de 2016 fechou com uma inflação em torno de 7%. Prognósticos macros econômicos começam a convergir para inflação em 6% para 2017 e 5,4% em 2018. Se as estimativas de crescimento do PIB e inflação para os próximos anos estiverem corretas, o salário mínimo em 2018 pode chegar a R$ 1.002,70 e, em 2019, R$ 1.067,40.

PÉS NO CHÃO

Segundo a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) o agronegócio deve ter crescimento de 2% em 2017. Pela projeção da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), no entanto, o segmento de carnes terá um ano difícil. Em 2016, custos altos da alimentação, inflação generalizada e arroba do boi estabilizada, trouxeram o desânimo ao mercado. Para 2017, uma coisa parece certa: a oferta de animais deverá ser maior, diferentemente de 2016, caracterizado pela baixa disponibilidade de bois para abate e carne sobrando.

Dispondo mais de gado, os frigoríficos procurarão conter o preço da arroba. A esperança é de um aumento no consumo interno, que caiu em 2016. Um refresco virá com a possível baixa no preço da comida para o gado, principalmente do milho, com as boas safras brasileira e dos EUA.

Analistas aconselham o produtor a gerir bem os custos de produção dando foco também no incremento da produtividade. O preço da arroba não deverá superar os R$ 150, cotação que praticamente pautou os anos de 2015 e 2016.

Ou seja, o momento é de fazer as contas na ponta do lápis e observar as perspectivas para 2017 com cautela.

Pensando em investir na pecuária de corte? Veja mais sobre as raças abaixo e adquira seus animais no site MF Rural acessando http://www.mfrural.com.br

RAÇAS

Escolher as melhores raças de gado de corte e bons exemplares para formar o seu rebanho é essencial para aumentar a produtividade e os lucros do seu negócio.

GUZERÁ

Destaque em produtividade e qualidade da carne. Nos últimos anos, a guzerá foi a raça que mais cresceu em número de associados da ABCZ e foi o animal que mais evoluiu, principalmente na comercialização de touros a campo.

HEREFORD E BRAFORD

São referência em qualidade da carne e ganho de peso. O Braford veio pra possibilitar a melhor adaptação da espécie Hereford (que apresenta alto nível de produtividade) no clima tropical brasileiro. A precocidade do acabamento de carcaça e qualidade da carne é o carro chefe da raça.

SENEPOL

Adaptação, rusticidade e monta natural são destaques da raça. Tem alta capacidade de adaptação, rusticidade, docilidade na hora de manejar, alta libido (o que favorece a monta natural) e uma carne de alta qualidade.

BRAHMAN

Um dos principais pontos é a sua aptidão para o cruzamento industrial. Além de touro possuir uma grande capacidade de cobertura a campo. Quando cruzado com a vaca nelore, gera um desempenho muito interessante.

SIMENTAL

Alta produtividade, adaptação e qualidade de carne são atrativos da raça, que está no Brasil há mais de 110 anos. Estudos aprofundados foram feitos para melhoria do gado e da produtividade dessa raça, e os resultados têm dado muito certo para os produtores desse boi rústico.

LIMOUSIN

Precocidade de terminação e velocidade no ganho de peso são diferenciais da raça francesa, que chegou ao país há 165 anos. O primeiro boi da raça no país teria vindo direto da França, como um presente de Dom Pedro para um amigo.

BLONEL

Com peso acima da média, bezzeros da raça Blonel são destaque em qualidade de carne. Com berço na exigente tradição gourmet francesa, a raça sintética foi desenvolvida no município de Pedreira, no interior paulista, há exatos 22 anos.

ANGUS

O crescimento da raça angus vem sendo vertiginoso no Brasil. Em 2014, a raça bateu recorde na venda sêmen, segundo a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia). Os Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, na região Centro-Oeste, são os maiores produtores de meio sangue do país.

BONSMARA

É destaque em qualidade de carne e se firma no mercado gourmet. No final de todo o trabalho árduo do criador, o que realmente importa é entregar uma carne de qualidade. Pensando nisso, muitos açougues premium em todo o Brasil se preocupam em comprar carne da raça Bonsmara.

NELORE

Nelore, a raça mãe do Brasil, é a alavanca comercial da pecuária nacional. A chegada do nelore no Brasil iniciou no século 19, quando há registro de boiadas vindas da Índia. Hoje, não dá para imaginar o Brasil Central sem esse animal.

CHAROLÊS E CANCHIM

Raças Charolês e Canchim são destaque na produção de carne no país.

DEVON

Rusticidade, docilidade, precocidade sexual e de acabamento de carcaça, fertilidade e grande capacidade de converter um pasto “pobre” em um produto diferenciado e lucrativo são algumas das qualidades da raça Devon.

SINDI

Adaptabilidade e alta conversão alimentar da raça Sindi, além da docilidade e adaptação às adversidades do clima e do terreno atraem casda vez mais pecuaristas.

CARACU

Raça Caracu alcança resultados positivos há mais de 400 anos no Brasil. Cruzado com taurinos ou zebuínos, o gado apresenta precocidade sexual e de acabamento, alta conversão alimentar e produz carne de alta qualidade. E graças a essas características, essa linhagem centenária continua sendo amplamente criada nos quatro cantos do país.

SANTA GERTRUDIS

Produção de carne de alta qualidade destaca bovinos da raça Santa Gertrudis. Além de se destacar pelas características de rusticidade, precocidade sexual e de acabamento, crescimento e habilidade maternal. Atualmente, mais de 50 países possuem a raça. África do Sul e Austrália são seus maiores produtores.

Mais informações sobre gado de corte em http://www.mfrural.com.br/produtos.aspx?categoria2=218&nmoca=animais-bovinos-de-corte