RAÇA SINDI É DESTAQUE NAS REGIÕES NORTE, NORDESTE E SUDESTE

 

O gado da Raça Sindi surgiu na região chamada de Kohistan, na parte norte da província de Sindi, no atual Paquistão. Esta região é desértica e seca, o que ajudou a raça a se adaptar com o clima tropical brasileiro.

Dados históricos indicam que as primeiras importações da raça ao Brasil ocorreram por volta de 1850. Mas somente em 1930, através do criador Ravisio Lemos, a raça estabilizou-se no país. Outro nome que acreditou e trouxe o Sindi para o país, foi o Felisberto de Camargo, que em 1952 carregou 32 animais num avião.

A vinda da raça para o país foi quase uma novela. Na época das negociações com o governo, Camargo não conseguiu o apoio para a entrada deles, ou seja, os animais foram impedidos de chegar ao seu destino final, que era o Pará.

O gado importado ficou retido por cerca de três anos em Fernando de Noronha. E depois de tanta burocracia, os animais conseguiram entrar no estado paraense para abastecer o mercado com produtos lácteos.

A raça Sindi é uma espécie mais explorada no nordeste brasileiro, região que corresponde a 77,16% da criação no país. O cruzamento desta raça faz com que o potencial do gado Sindi se torne ainda mais expressivo.

Segundo o Diretor-secretário da Associação Brasileira dos Criadores de Sindi, Arthur Abdon Targino, criar esta raça é muito prazeroso, pois além de ser facilmente adaptável ao ambiente, é eficaz em suas produções. “Rústica, a raça consegue converter as pastagens mais grosseiras em carne e leite, e é um zebuíno bastante precoce”, afirma ele.

O Sindi apresenta uma estatura pequena, porém com grande profundidade, possui pelagem avermelhada, variando do amarelo-alaranjado ao castanho. Os machos são mais escuros. Eles apresentam uma tonalidade mais clara no focinho, barbela, testa e no ventre. Os pelos são finos, curtos e brilhantes. Além de ser um animal rústico, o Sindi é sadio, vigoroso e dócil.

O gado também produz uma boa carne. Se adapta facilmente em pastagens de baixa qualidade, e apresenta resistência à febre aftosa, doença que chega a matar bovinos no Brasil.

 

 

As vacas desta raça podem ser criadas como zebu leiteira. Neste tipo de produção, vacas Sindi e animais de raças europeias geram bons resultados para a pecuária. A atividade principal da raça, como já foi mostrada aqui, é a produção de leite, e os resultados variam de acordo com a seleção e conforme a região.

No próximo dia 10 de outubro o site MF Leilões transmitirá mais um grande leilão da Raça Sindi, com belíssimos animais da Fazenda Asa Branca, município de Cidade Ocidental, GO. O leilão será transmitido 100% online, a partir das 20 horas.

 

Confira os detalhes do leilão:

– 05% de desconto no pré lance;

– Bezerras, novilhas e vacas prenhas, vacas paridas e touros;

– Localização: Cidade Ocidental, Goiás (55 km de Brasília);

–  Animais rústicos para carne e leite, em regime 100% campo;

– 30 Parcelas (2 + 2 + 2 + 24);

– 20 anos de seleção;

– A melhor genética Sindi;

– 100 km de frete grátis por animal.

 

Link para o pré lance: http://www.mfleiloes.com.br/leilao.aspx?leilao=4035&tit=leilao-virtual-sindi-asa-branca

 

 

Vermifugação: saiba o porquê pode não estar funcionando

ICMS-bovinos-bufalinos

A boa produtividade dos rebanhos bovinos de corte e de leite está diretamente ligada à saúde dos animais. A saúde plena dos animais depende, além da alimentação adequada, de cuidados especiais como vacinação (controle de doenças) e vermifugação (controle de parasitas).

Vermífugos para bovinos exige manejo correto na aplicação, cuidados com a dosagem, calendário específico, princípios ativos eficientes e equipamentos próprios.

Moxidectina, irvemectina, levamisol e albendazol estão entre os princípios ativos utilizados nos vermífugos da atualidade.

Hoje em dia é muito comum verificar que os parasitas apresentam resistência à eficiência de alguns vermífugos. Vários fatores influem na eficiência dos vermífugos. Dentre eles pode-se incluir a subdosagem do produto, intervalo correto entre aplicações, aplicações simultâneas com outras vacinas, equipamentos inadequados, etc.

Todo cuidado e zêlo devem ser tomados quanto à aplicação de vermífugos. Embora os custos dos vermífugos representem menos de 1% na produção dos bovinos, sua ausência ou uso inadequado pode representar até 20% de perda na sua produtividade.


Veja aqui alguns produtos mencionados acima: gado de  corte e de leitevacinaçãovermifugação.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.

Gado de leite: nutrição balanceada aumenta a produtividade

gado-leiteiro

Formas de aumentar a produtividade e melhorar a qualidade do leite são algumas dúvidas do produtor, e uma das respostas está na alimentação do seu rebanho de gado de leite.

O gado leiteiro exige atenção especial quanto a alimentação, diferentemente do gado de corte, pois que dela dependem a qualidade e produtividade de leite.

Por representar grande parte dos custos na produção de leite, a alimentação do gado leiteiro deve ser cuidadosamente planejada, independentemente seja o gado manejado em regime confinado ou apasto.

Balanceamento de rações ou manejo de pastagens executados técnica e eficientemente, baixam custos, agregam valor ao leite e melhoram a competitividade do produtor.


Veja aqui alguns produtos mencionados acima:gado de leitegado de corteregime confinadopasto.

Anuncie no MF Rural e tenha seu produto visualizado por todo o Brasil: clique AQUI para fazer o cadastro. Para comprar, clique AQUI para visualizar os classificados do dia, ou use a barra de busca no cabeçalho para encontrar o produto desejado.