Terceiro maior exportador de produtos agrícolas do mundo, Brasil segue como o maior vendedor de soja em 2018

País segue na frente do Canadá e está atrás apenas dos EUA e da União Europeia na venda de produtos agrícolas

Na última década, o Brasil ultrapassou a Austrália e a China na exportação de produtos agrícolas do mundo. Atrás apenas de potências como Estados Unidos e União Europeia, o país segue como o terceiro maior exportador agrícola e, em 2018, deverá ser o principal comerciante mundial de soja. Em 2016, o Brasil abriu mercado em 17 países a mais de 22 produtos agrícolas, com acordos comerciais firmados com os Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão e Vietnã.

Com negociações comerciais feitas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o destaque foi a conclusão de acordos para a exportação de carne bovina in natura para os EUA, carne bovina termicamente processada para o Japão e carne de aves e suína para o Vietnã. O comércio dos 22 produtos com os 17 países representou US$ 8,3 bilhões anuais e o Brasil se habilitou a disputar uma fatia do montante com os acordos.

Todas as negociações fazem parte dos esforços do Mapa para elevar a participação do País no comércio agrícola mundial de 6,9% para 10% em cinco anos, em um mercado que representa US$ 1,08 trilhão anualmente. Segundo o balanço do último ano, em 2016 as exportações agrícolas brasileiras somaram US$ 66,7 bilhões – 71,9% são correspondentes às exportações dos produtos de complexos como soja, carnes e sucroalcooleiro.

venda de produtos agrícolas

Principais produtos agrícolas do Brasil

Entre os principais produtos agropecuários do Brasil, destaque para a cana de açúcar, a laranja e o café, dos quais somos os maiores produtores mundiais; para o fumo, a carne bovina e a soja (nos encontramos na segunda posição internacional) e o milho, produto que coloca o Brasil como o terceiro em volume de produção anual.

O avanço da agricultura brasileira nos últimos anos provém de uma série de fatores, como recursos naturais abundantes, como solo, luz e água, diversidade de produtos e câmbio relativamente favorável, além do crescimento da demanda proveniente de países asiáticos e aumento da produtividade das lavouras. Essas vantagens competitivas alavancaram o Brasil à terceira posição como maior exportador do mundo, mesmo durante a crise, onde o País manteve sua liderança mundial na venda de açúcar, café e suco de laranja.

Principal produto da agricultura brasileira, a soja responde por mais de 9% de toda a balança comercial do País ocupa a maior parte das terras agricultáveis. O mercado estrangeiro recebe o montante mais considerável da nossa produção, o que rendeu a previsão do Brasil na posição de maior exportador de soja do mundo em 2018.

Por ocorrer no período de entressafra nos países do norte, a produção de soja no Brasil sai na frente no mercado mundial, onde a exportação acontece em volumes maiores para a alimentação dos rebanhos. Com a mecanização do campo e da expansão da fronteira agrícola, a produção de soja no País ganhou força em um processo marcado pelo avanço dos produtos sulistas diretamente para a região central brasileira.

Consequentemente, os líderes no ranking nacional de produtividade de soja são os estados da região Centro-Oeste, com o Mato Grosso destacado, bem como o Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Tocantins.

Carne bovina à brasileira: nossa produção agrícola no setor

Com mais de 200 milhões de cabeças de gado, ficando atrás apenas dos EUA, o Brasil possui o segundo maior rebanho bovino do mundo e é o país que mais exporta esse tipo de carne. Segundo o Ministério da Agricultura, apenas 16% da carne bovina brasileira segue para o mercado externo, já que a lucratividade do mercado interno nacional é alta.

exoprtação de gado

Até 2019, a previsão é que as exportações de carne brasileira responderão por 60% do comércio mundial do produto. Além da carne, o País também possui uma produtividade alta de leite voltada ao mercado interno. Com a ocupação de grandes áreas, a pecuária no Brasil segue extensiva por conta da disponibilidade de terras e das estratégias latifundiárias para a produtividade de suas propriedades. Entretanto, o País também vem aumentando sua atuação no setor da pecuária intensiva, diretamente ligadas a agroindústrias de leite e de corte.

Com um desenvolvimento do setor agrícola muito superior aos demais da economia do Brasil, o superávit do agronegócio brasileiro foi de quase US$ 900 bilhões entre 2000 e 2016, contrastando com déficits na grande parte dos outros setores. Tudo indica que, enquanto em outros segmentos o País ainda segue engatinhando, no mercado agrícola o desenvolvimento segue a todo vapor. Com máquinas agrícolas potentes e poderosas, que aumentam a produtividade nos campos do Brasil, o setor agrícola com maior rendimento operacional e conforto aos operadores, pronto para