Cooperativas ajudam a melhorar gestão do negócio

Aumentar a produtividade, reduzir custos e otimizar recursos com tecnologias e inovações estão entre os benefícios da Coopercitrus oferecidos aos associados. Case será apresentado durante o ENCA

 

Esse ano, a programação do Encontro Nacional das Cooperativas Agropecuárias (ENCA), um dos eventos mais importantes e tradicionais do agronegócio do país, que acontece em Campinas, nos dias 4 e 5 de junho, pretende levar conhecimento aos líderes cooperativistas de todo o país. Para falar com propriedade sobre os enfrentamentos, riscos e também sobre as soluções e oportunidades do setor, diversos presidentes de cooperativas estarão relatando suas experiências.

 

O presidente da Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus), Fernando Degobbi, ministrará palestra no dia 4 de junho sobre a Expansão Territorial – Desafios e Oportunidades. A Coopercitrus é considerada uma das maiores cooperativas do Brasil e a maior do Estado de São Paulo na comercialização de insumos, máquinas e implementos agrícolas. Com mais de 60 filiais, apoio técnico e estrutura para o atendimento das mais diversas culturas em São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná, Goiás e Tocantins, a cooperativa conta com uma carteira de associados de mais de 35 mil agropecuaristas, além do apoio de milhares de colaboradores. Em 2018, registrou um faturamento de R$ 4,11 bilhões.

 

A Coopercitrus possui um plano de expansão e chegará em breve em Goiás, com uma loja em Itumbiara, além das inaugurações nos municípios de Alfenas (MG) e Votuporanga (SP). Em Minas, o carro-chefe será o café, com armazém para recebimento de grãos em parceria com a trading chinesa Cofco International, que armazenará os grãos e terá preferência na compra. Em Goiás, o armazenamento de insumos que gerará negócios. Só em 2018, a cooperativa movimentou R$ 1,1 bilhão no segmento de defensivos agrícolas.

 

Na Coopercitrus, a produção de cana-de-açúcar é o atual carro-chefe dos negócios e o mercado melhorou. “Nos últimos anos, devido à estratégia de diversificação de culturas, café, grãos e pecuária ganharam mais espaço na Coopercitrus. No entanto, a cana de açúcar ainda ocupa a maior área de cultivo desde que os preços internacionais de açúcar se estagnaram em patamares baixos, o que reduz a rentabilidade e faz com que a Cooperativa se aproxime mais dos produtores com suporte técnico, financeiro e comercial”, explica Degobbi.

 

Por meio da cooperativa, o presidente da Coopercitrus afirma que é possível que o pequeno e médio cheguem ao mesmo nível do grande produtor. E a cooperativa tem feito de tudo para atingir esse propósito, ajudando os cooperados a aumentar a produtividade, reduzir custos e otimizar recursos com tecnologias e inovações. Com isso, a redução com os custos está na casa dos 30%. “Sem dúvida, o que tem viabilizado as atividades agrícolas atualmente é o uso racional de recursos, suporte técnico, consequentemente, menores custos por unidades produzidas”, avalia.

Debater a agricultura brasileira ajuda a transformar desafios e necessidades em oportunidades

Importância de eventos para o setor do agronegócio será tema de painel no ENCA

Um dos temas mais em evidência no Brasil é o agronegócio, pela representatividade na balança comercial do país, pelos empregos diretos e indiretos, pelo resultado final que beneficia toda a população do país com o alimento na mesa. E por isso que o assunto: “Importância das grandes feiras promovidas pelas cooperativas para o agronegócio” também ganha destaque na programação do Encontro Nacional das Cooperativas Agropecuárias (ENCA), que será realizado dias 4 e 5 de junho, em Campinas (SP). O tema será abordado em um painel conduzido pelos presidentes do Cotrijal, Nei César Mânica, da Coopavel, Dilvo Grolli e da Copercampos, Luiz Carlos Chiocca.

 

Chiocca conta que há mais de 24 anos realiza o Dia de Campo Copercampos e devido à abrangência que o evento atingiu nos últimos anos mudaram o nome para Show Tecnológico Copercampos, evento catarinense que apresenta a mais alta tecnologia disponível no agronegócio. “No Enca, vamos contar sobre este grande evento que reúne pesquisadores e produtores rurais dos estados brasileiros e também do exterior, assim como a importância deste centro de conhecimentos que busca debater os principais temas da agricultura brasileira, transformando desafios e necessidades em oportunidades para elevar a produtividade e a sustentabilidade das propriedades rurais”, diz.

 

Ao falar de tantos encontros, o presidente da Copercampos reafirma a força do agronegócio e a sua importância no desenvolvimento econômico do país. “Todos nós, dia após dia, buscamos formas de torná-lo ainda mais sólido e próspero. Acreditamos que através de encontros como este, e mantendo sempre os princípios do cooperativismo e a tecnologia ao nosso favor, podemos elevar ainda mais o sucesso do agronegócio”, enfatiza.

 

No Rio Grande do Sul, outro evento que também tem contribuído para o crescimento do homem do campo é o Expodireto Cotrijal, que acontece no início de março e chegou à 20ª edição. O presidente da Cotrijal, Nei César Manica, conta que nos cinco dias de evento participaram mais de 70 países dos cinco continentes, as principais empresas de máquinas, equipamentos, produção vegetal e animal, pequena propriedade, agroindústria familiar e meio ambiente. “A Expodireto é totalmente business. Esse ano passamos de R$ 2,4 bilhões em negócios, principalmente venda de máquinas. Passaram pela feira mais de 265 mil pessoas, em busca informação de tecnologia. Tivemos eventos nacionais da soja, milho, leite, para jovens e mulheres. São eventos que discutem a necessidade do setor produtivo do Brasil”.

 

A Cotrijal tem 7.700 associados e atua em 32 municípios e conta com 56 unidades de recebimento. “A Cotrijal é a maior cooperativa do Rio Grande do Sul e uma das maiores do Brasil. Estar à frente da Cotrijal é gratificante e desafiante porque temos políticas agrícolas em longo prazo e dependemos de mercado de câmbio e das intempéries. Acreditamos que produzir alimento é uma missão nobre e a cooperativa tem a função de fazer parte da economia, mas também do social. As feiras têm uma importância grande para o setor produtivo e a presença dos produtores, entidades, federações e instituições ligadas ao agronegócio têm parcela dentro Expodireto, porque é pelas organizações que vamos fortalecer o agronegócio brasileiro em tecnologia, inovação, busca de crédito, seguros agrícolas e políticas públicas”, explica.

 

Também participará do painel a ‘Importância das grandes feiras promovidas pelas cooperativas para o agronegócio’, a Cooperativa Agroindustrial de Cascavel (Coopavel), que atua em 17 municípios das regiões Oeste e Sudoeste do Paraná. Com 5,5 mil cooperados e 5,2 mil colaboradores opera com sementes, fertilizantes, rações e carnes. Para disseminar tecnologias e inovações para o campo do mundo, há 30 anos promove um dos três maiores eventos nestas duas áreas. E é o case desse evento que o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli apresentará no Enca. “Reunimos na 31ª edição do Show Rural Coopavel 520 expositores e mais de 288 mil visitantes. O Show Rural Coopavel tem por finalidade mostrar tecnologias para os produtores rurais, principalmente aos pequenos para que possam alavancar a produtividade por meio da sustentabilidade e da preservação ambiental”, afirma Grolli.

 

Encontro Nacional de das Cooperativas Agropecuárias

 

Sobre o Enca, o presidente da Cotrijal, Nei César Manica, disse que é um evento de extrema importância. “Uma oportunidade para os dirigentes e produtores de entidades se atualizarem e receberem informações sobre o que tem de melhor em mercado, tecnologia e inovação”, enfatiza.

 

Para o presidente da Copercampos, Luiz Carlos Chiocca, através de iniciativas como o ENCA é possível desenvolver novas parcerias e criar vínculos de negócios que ajudem no desenvolvimento do agro. “Todos nós buscamos trabalhar em prol de um mesmo objetivo, compartilhando experiências e bons resultados e, desta forma, ampliar e valorizar o agronegócio e todos que fazem parte deste grande sistema. O debate de temas tão relevantes como o da programação deve estar sempre em pauta, para que sejam criadas estratégias que auxiliem nas gestões das cooperativas e no desenvolvimento do agronegócio”, avalia.

 

Mais informações pelo site www.gpoconecta.com.br ou pelos telefones (34) 9.9947-0005 e (34) 3227-4286.

Mundo do agronegócio tem encontro marcado: ENCA 2019 reunirá principais lideranças cooperativistas do Brasil

Encontro receberá palestrantes renomados e discutirá temas como Aceleração do Crescimento, Governança, Tecnologias Digitais, Finanças e Gestão de Risco nas Cooperativas

 

O cooperativismo é um movimento que une desenvolvimento econômico e social, sobretudo contribui para a sustentabilidade do agronegócio. Para ter ideia de seu valor, o cooperativismo agropecuário tem importante participação na economia brasileira, sendo responsável por quase 50% do Produto Interno Bruto (PIB) agrícola, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 

Por tamanha representatividade para a economia do país, o Grupo Conecta, com o apoio do Sistema Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e patrocínio de cooperativas e empresas renomadas do agronegócio brasileiro, realizará, nos dias 4 e 5 de junho, o Encontro Nacional das Cooperativas Agropecuárias (ENCA), um dos eventos mais importantes e tradicionais do agronegócio do país.

 

O evento, que acontecerá no Hotel Royal Palm Hall, em Campinas (SP), vai reunir as principais cooperativas e lideranças cooperativistas do Brasil, além de empresas parceiras e palestrantes de destaques do setor. 

 

Na pauta, temas como Aceleração do Crescimento, Governança, Tecnologias Digitais, Finanças e Gestão de Risco nas Cooperativas nortearão as discussões durante o evento. A programação conta com discussões, palestras práticas e inovadoras e networking com grandes players do mercado. O encontro receberá palestrantes renomados como o Economista Ricardo Amorim, que apresenta uma leitura clara e objetiva de grandes tendências e transformações futuras da economia mundial e brasileira, além de as oportunidades e riscos que elas criam para o público.

 

Também compõe a lista de palestrantes o jornalista Alexandre Garcia, que faz uma análise do mundo da política e da sociedade contemporânea, Max Gehringer, administrador de empresas,  e escritor articulista da revista Época, apresentador de quadro semanal no programa Fantástico, da Rede Globo, e comentarista na Rádio CBN e o ex-ministro da Agricultura, o engenheiro agrônomo Roberto Rodrigues, que também é embaixador especial da FAO para as cooperativas e grande defensor da agropecuária brasileira.

 

O encontro contará ainda com presidentes de cooperativas na plenária como Dilvo Grolli, da Coopavel; Fernando Degobbi, da Coopercitrus; Luiz Carlos Chiocca, da Coopercampos; Carlos Paulino, da Cooxupé, trazendo cases e discussões sobre os desafios enfrentados por elas.

 

Competitividade em jogo

 

O cooperativismo se destaca em diversos segmentos e no setor agrícola não é diferente. Além de favorecer os cooperados na redução de custo, facilitar negociações e criar uma rede de colaboração, o modelo sustentável é importante para a economia do país. “No Brasil, as cooperativas buscam na cooperação as vantagens e benefícios necessários para que se mantenham fortes e ativos no mercado competitivo. No agronegócio brasileiro, as cooperativas têm papel de destaque na produção mundial de alimentos”, destaca Danilo Bomfim, diretor do Grupo Conecta, realizador do ENCA e de outro eventos.

 

Quase metade (48%) de tudo que é produzido no campo brasileiro sai de uma cooperativa, segundo dados do Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No país, o cooperativismo agropecuário agrega 1.597 instituições e cerca de 180 mil produtores trabalhando por um mesmo objetivo. De acordo com dados da OCB, as cooperativas agrícolas exportaram mais, passando de US$ 5,13 bilhões em 2016 para US$ 6,16 bilhões em 2017, um aumento de aproximadamente 20,07%.

 

Para a consultora e palestrante Luciana Martins, diretora da MPrado Consultoria, as cooperativas assumem um papel importante na economia do país. “Com a participação de todas as cooperativas em prol de um único objetivo, elas se fortalecem economicamente e ganham mais espaço no mercado, promovendo a competitividade, por se aperfeiçoar em seus modelos de gestão e abraçar as oportunidades no mercado interno e externo. Eventos como o ENCA abordam temas de suma importância para o desenvolvimento das cooperativas que buscam crescer e ajudar o país também a crescer”, avalia.

 

 

Otimismo de ruralistas com Bolsonaro impulsiona ‘Tinder do campo’

O conceito é simples: produtores ou trabalhadores rurais anunciam seus produtos numa plataforma online, e os interessados dão uma espécie de ‘match’

Por Fábio Zanini

Ribeirão Preto (SP) – O otimismo do setor rural com o novo governo não se traduz apenas na previsão de venda recorde de colheitadeiras ou na perspectiva de regras mais permissivas para aumentar as áreas de plantio. O campo está se movimentando de maneiras menos óbvias, como pude constatar na semana passada na Agrishow, principal feira agrícola do país, em Ribeirão Preto (SP).

 

Num estande relativamente modesto (ao menos se comparado aos monstrengos que as grandes empresas de máquinas montaram), os irmãos Rafael e Roberto Fabrizzi Lucas apresentavam o MF Rural, um serviço que é uma espécie de Tinderdo campo. O conceito é simples: produtores ou trabalhadores rurais anunciam seus produtos numa plataforma online, e os interessados dão uma espécie de “match”.

 

“É um site para captar interessados em comprar e vender. A partir do momento em que se encontram, já não temos mais envolvimento”, diz Rafael, 35.

 

A plataforma surgiu modestamente em 2004, criado por uma família de veterinários: pai e quatro filhos. No ano passado, cresceram 15%, e neste ano esperam no mínimo repetir a dose. “Vendemos de galinhas a fazendas”, afirma Roberto, 38. O serviço é um termômetro do setor. No ano passado, dizem os irmãos, foi claramente possível identificar o efeito da vitória de Bolsonaro sobre os negócios. “De outubro a dezembro as vendas superaram nossas previsões em 5%”, afirma Rafael.

 

Roberto afirma que a vitória de Bolsonaro foi bem recebida pelo setor. “Ele está tirando a visão de que produtor rural é bandido”, diz. Os usuários pagam uma taxa fixa e única para o site que varia entre R$ 199 e R$ 299 a depender da visibilidade buscada, no modelo “anúncio eterno”: o produto só é retirado do ar depois de vendido.

 

 

O site surgiu quando o pai de Rafael e Roberto, que tocava uma fazenda na região de Marília (SP), cansou-se de procurar insumos e ferramentas de que precisava. Pensou primeiro em abrir uma loja física na cidade, mas depois foi convencido pelos filhos que o futuro era online.

 

O investimento inicial foi de R$ 12 mil (“em três cheques, para 30, 60 e 90 dias”, lembra Roberto). Atualmente, o site tem 2,2 milhões de acessos por mês e emprega 30 pessoas. É possível anunciar animais, aviões e até usinas de cana. O produto mais caro já vendido, dizem os irmãos, foi uma jazida de ouro, no valor de R$ 2,5 milhões. O mais simples, um saquinho de ovos de codorna em conserva por R$ 12,50.

 

Para anunciar, acesse www.mfrural.com.br.