Que medidas podem ser tomadas para combater o bicudo-do-algodoeiro?

Que medidas podem ser tomadas para combater o bicudo-do-algodoeiro?

 

O inseto invasor Bicudo-do-Algodoeiro (Anthonomus grandis) é a principal praga das Américas, gerando prejuízos e danos a cultura de algodão. Junto dos ácaros, pulgão, percevejo marrom e outros insetos parasitas, o bicudo é uma praga que exige cuidados específicos para seu combate e prevenção no cultivo de algodão.

 

 

Bicudo-do-Algodoeiro: a praga das plantações

 

O inseto devorador de plantações de algodão é uma espécie de besouro acinzentado, com mandíbulas para agredir e furar o algodoeiro. De tamanho pequeno, o bicudo deposita seus ovos e larvas dentro do botão floral do algodão, e se reproduz rapidamente, prejudicando a cultura do produto.

 

Por isso, é fundamental que o cotonicultor conheça a forma mais indicada para garantir a qualidade e cultivo do algodão.

 

Bicudo-do-algodoeiro parasitando o botão floral do algodão
O bicudo-do-algodoeiro deposita seus ovos e larvas dentro do botão floral do algodão.

 

 

Tipos de inseticida

 

No momento de escolher o inseticida correto, o produtor rural deve priorizar os princípios ativos que combatam a praga sem perder o seu poder residual prolongado. Ou seja, optando por produtos que ofereçam um melhor custo-benefício para sua cultura.

 

A química baseia-se em promover o choque contra o inseto, resultando em plantações livres e saudáveis, sem agredir a integridade do algodão.

 

 

Rotatividade de produtos químicos utilizados

 

Após a escolha do inseticida, o cotonicultor não pode deixar de considerar a rotatividade dos produtos utilizados para o combate à praga. Isso deve acontecer para que o besouro não crie resistência à química pulverizada, evitando o crescimento e reprodução desenfreada do bicudo na plantação de algodão.

 

A rotatividade programada do inseticida é capaz de acabar com os ataques da praga, deixando-a cada vez mais fraca.

 

 

Controle constante e inteligente

 

Além da manipulação correta de inseticidas e sua rotatividade, é essencial que o produtor rural mantenha o monitoramento ativo das plantações.

 

Este procedimento assegura que somente a quantidade necessária de produto químico foi pulverizado, sob as orientações certas e sem causar envenenamento do cultivo de algodão.

 

Máquina pulverizando algodoeiro
Deve-se monitorar a lavoura de algodão constantemente para um controle eficiente.

 

 

Outras opções de combate

 

Apesar de a manipulação de inseticidas parecer o processo mais eficaz para o combate à praga bicudo-do-algodoeiro, existem outras formas de acabar com a incidência do inseto nas plantações de algodão. Algumas são:

 

• Plantas voluntárias: as plantas voluntárias são as que detêm o poder de afastar a praga em questão. Apesar de o método ser utilizado por alguns produtores rurais, o bicudo-do-algodoeiro pode sobreviver ao redor de restos de cultivo e continuar atacando a plantação;

 

• Inimigos predadores: a criação de inimigos predadores também é uma opção viável para o cultivo seguro de algodão, visando manter longe o besouro invasor. Os insetos predadores são pulverizados na plantação, acabando com os focos do bicudo-do-algodoeiro, destruindo suas larvas, seus ovos e os besouros já adultos;

 

• Armadilhas químicas: a armadilha química é um meio criado para atrair o inseto e evitar sua proliferação, utilizando uma espécie de repelente que diminui a capacidade de reprodução da praga.

 

Como podemos analisar, é de suma importância que o produtor rural conheça todas as alternativas ao combate da praga bicudo-do-algodoeiro. Para complementar sua leitura sobre cultura de algodão, verifique o artigo sobre plantio direto, e entenda o que o agricultor deve saber sobre os cuidados e vantagens desse procedimento.