Mastite: aprenda como identificar e prevenir

Mastite: aprenda como identificar e prevenir

 

Uma das preocupações de quem tem rebanho leiteiro é a mastite. A doença pode gerar graves prejuízos ao negócio, pois afeta tanto a produção, quanto a qualidade do leite, e pode ser responsável pelo descarte de animais.

 

Para além dos impactos econômicos, a mastite está diretamente relacionada à saúde pública, por conter bactérias que representam um risco para os seres humanos.

 

Se você é criador de rebanho leiteiro, aprenda agora como identificar a mastite nos animais e os melhores métodos de prevenção da doença.

 

Precisa de produtos ou serviços para o seu negócio agrícola? Aqui você encontra as melhores ofertas e oportunidades.

 

 

O que é mastite

 

A mastite ou mamite, é uma inflamação que acomete as glândulas mamárias das fêmeas. Considerada a principal doença que afeta o rebanho leiteiro, pode se manifestar de duas formas: clínica e subclínica.

 

A primeira se caracteriza pela presença de sintomas inflamatórios e alterações visíveis no leite. Já a segunda, apesar de não apresentar sinais evidentes, também impacta diretamente a produção leiteira.

 

 

Sintomas

 

No caso da mastite clínica, os sintomas são visíveis a olho nu, o que facilita a identificação da doença. Nas tetas e no úbere são observados sinais inflamatórios, como aumento de tamanho, vermelhidão e calor, além da perda de apetite, febre, queda de produção e morte.

 

As alterações também se manifestam no leite ordenhado, o qual apresenta pus, grumos e aspecto aquoso, além de menor quantidade extraída.

 

A mastite subclínica, por sua vez, é mais difícil de ser identificada, em razão da ausência de sintomas aparentes. Por esse motivo, é responsável por perdas de até 70% do rebanho.

 

 

Como identificar a mastite

 

Um rápido e correto diagnóstico da mastite é fundamental para combater a infecção e evitar que se alastre entre os animais, já que é contagiosa e de fácil transmissão.

 

A diagnose pode ser feita a partir de três testes:

 

Califórnia Mastite Teste (CMT): é realizado ao menos uma vez por mês, a fim de detectar a mastite subclínica. Para isso, mistura-se o leite a um reagente na proporção 1:1 e observam-se os resultados de acordo com a gelatinosidade da reação;

 

Pessoa coletando leite para teste CMT direto do ubere
Coleta de leite para o teste CMT, que identifica a mastite subclínica.

 

Teste da caneca de fundo preto: é uma opção de baixo custo, capaz de diagnosticar a mastite clínica.

 

Deve ser realizada diariamente da seguinte forma: os três primeiros jatos de leite são ordenhados em uma caneca de fundo preto, o que permite a observação de alterações como pus, grumos ou mudança na coloração;

 

Pessoa com luvas coletando leite do ubere para o teste da caneca de fundo preto
Coleta de leite para o teste da caneca de fundo preto

 

Contagem de Células Somáticas (CCS): este só pode ser realizado em laboratórios, por meio de exames específicos. As amostras podem ser coletadas tanto do tanque resfriador quanto de cada vaca individualmente.

 

 

Causas

 

A mastite pode ser causada pela ação de micro-organismos e por fatores ambientais, como por exemplo:

 

– Solo;

– Água;

– Equipamentos;

– Esterco.

 

Além disso, o manejo inadequado do rebanho pode ocasionar a contaminação das glândulas mamárias.

 

 

Prevenção

 

Diante do cenário apresentado, é preciso fortalecer as ações de prevenção da mastite entre o rebanho leiteiro. E isso é possível com a adoção de algumas atitudes cotidianas de grande relevância.

 

Na hora da ordenha, é imprescindível que haja uma rotina de cuidados com a higiene do local, dos animais e dos utensílios, o que reduz significativamente as fontes de infecção e a incidência da mastite.

 

Também é recomendado desinfetar os tetos antes e depois da ordenha e realizar o teste da caneca de fundo preto diariamente.

 

pessoas fazendo a desinfecção dos tetos de uma vaca pré-dipping
Desinfecção dos tetos da vaca conhecido como pré-dipping (antes da ordenha) ou pós-dipping (pós ordenha)

 

Portanto, o ponto fundamental aqui é a correta capacitação da equipe de ordenha.

 

Leia também sobre quais as formas de tratamento para mastite bovina.

 

Related Post