Alimentação de suínos: saiba como economizar sem perder a qualidade

Alimentação de suínos: saiba como economizar sem perder a qualidade

 

A alimentação de suínos é muito importante para o seu desenvolvimento. Basicamente eles são alimentados com uma mistura de milho, trigo e outros componentes nutritivos para o seu crescimento, mas estes alimentos têm se tornando cada vez mais caros.

 

Por conta disso, é muito natural que o produtor rural busque alternativas para alimentar seu plantel de suínos. A preocupação sobre como alimentá-los corretamente, economizando dinheiro, é muito grande.

 

A alimentação dos suínos com os cereais tem um impacto de cerca de 70% nos custos da produção. Por isso, é cada vez mais comum buscar os alimentos alternativos.

 

Quer saber mais? Continue lendo notícias do setor agropecuário.

 

 

Dieta suína

 

A alimentação suína se compõe basicamente de cereais, que tem como função fornecer ao animal energia e proteína. Destes, os mais comuns são a cevada, o milho e o trigo.

 

Suínos se alimentando em comedouro
A Alimentação de suínos é composta por grãos ou cereais que fornecem energia e proteínas

 

O milho é uma boa fonte de energia para pequenos suínos. No entanto, é comum que ele escasseie ou que seu preço se eleve muito no mercado. Ele pode ser substituído por cereais alternativos para não causar danos ao desenvolvimento e rendimento dos animais. Estes precisam ser compostos por proteínas vindas de vegetais e grãos, incluindo pouco ou nenhuma farinha animal.

 

O trigo é o cereal mais utilizado em dietas de desmame de suínos. Quando a moagem é fina, a utilização dos nutrientes é melhorada. Quando é moído de forma grossa, ele causará menor digestibilidade e aumentará a excreção dos nutrientes.

 

O arroz é usado de forma limitada na dieta de suínos. Porém, sua farinha traz um rendimento aos animais parecido ou até mesmo igual ao dos alimentados com milho. O ideal é usar arroz integral, cujos compostos não causam efeitos negativos nos animais.

 

A aveia tem muitas fibras. Hoje é muito raro ver produtores usando este cereal para alimentar os animais, em razão de seu valor de mercado na indústria de alimentos. No entanto, ele substitui perfeitamente o milho.

 

A cevada contém muito betaglucano e é rica em fibras. Sem casca, é uma boa opção para alimentar os suínos. No entanto, seu valor nutritivo é menor que o do milho.

 

 

Alimentação alternativa para suínos

 

Alguns produtores estão utilizando produtos que não usariam normalmente na alimentação de seus suínos. Um deles é a raiz de mandioca, usada na forma raspada ou como uma farinha. Ela é um alimento que apresenta muitas fontes de proteína, mas que precisa ser complementada com outros tipos de alimentos para melhor nutrição dos animais.

 

Outro alimento que vem sendo utilizado de forma alternativa é a banana. Existem, inclusive, produtores que usam o tronco e as folhas da bananeira neste tipo de nova alimentação. Seus valores nutritivos são muito importantes, embora pouco divulgados.

 

O bagaço de cana de açúcar é outro alimento escolhido para economizar sem perder a qualidade da alimentação do plantel. O caldo deste alimento pode, inclusive, ser utilizado para alimentar animais que rejeitem o bagaço.

 

Os porcos podem ser alimentados também com hortaliças e frutas variadas. Elas trazem diversos tipos de nutrientes. E ainda há a vantagem de que os porcos que se alimentam delas podem fornecer o adubo para a plantação das mesmas.

 

Você conhece uma planta chamada rami? É um vegetal muito apreciado pelos porcos. O rami contém uma boa quantidade de vitamina e de proteína. Alguns produtores usam também a silagem do milho. Ele é um suplemento que possui 40% do valor proteico que o porco necessita diariamente.

 

Para substituir o milho na alimentação dos porcos, é possível trocá-lo por sorgo, triticale, cevada, trigo, milheto e centeio. Outra opção é a soja, que deve ser tostada, extrusada e desativada.

 

Alguns produtores oferecem também farinhas de origem animal, que contém vísceras, carnes e ossos. No caso dos porcos, a farinha a ser utilizada é a de aves. A introdução de 5% desta farinha na alimentação dos suínos pode reduzir de 6% a 12% o custo da ração oferecida e entre 5% a 10% o custo total de produção.

 

 

Solução caseira

 

 

Na tentativa de economizar e até driblar a falta de algum produto básico da alimentação dos suínos, alguns produtores partem para soluções caseiras. É o que o criador José Carlos dos Santos, do Sítio Três Irmãos, em Itapeva, São Paulo, tem feito.

 

O produtor rural está utilizando uma ração caseira composta dos seguintes produtos: 20% de soja, 70% de triticale e 5% de aminoácidos e sal mineral (núcleo).

 

No entanto, esta mistura tem feito com que a perda de peso dos animais seja de 10%. Mas Santos diz não ver outra alternativa para altos preços e escassez de produtos para a alimentação dos suínos. Ou seja, esta forma de alimentação caseira ajuda a economizar, mas perde na questão da qualidade.

 

 

Impacto econômico da alimentação alternativa

 

Quando o produtor rural decide usar alimentação alternativa para o seu plantel de suínos, a possibilidade de redução nos custos de produção pode chegar a 40%, segundo especialistas. Tudo isso sem perder a qualidade da alimentação oferecida aos animais.

 

No entanto, antes de escolher ir pelo caminho da alimentação alternativa, convém conversar com um médico veterinário que tenha especialidade em nutrição. Somente ele poderá indicar, equilibrar e manipular as escolhas de alimentos de forma que todos os nutrientes necessários para a saúde e o crescimento dos suinos sejam garantidos e alcancem as mínimas exigências.

 

Este tipo de aconselhamento é fundamental para garantir sua economia com lucro na venda. Isso porque a alimentação e a qualidade de vida de seus suínos são muito importantes para o sucesso da produção.

 

 

Outra alternativa

 

Existem outras formas de economizar dinheiro quando o assunto é alimentação de suínos. Uma delas é economizar o próprio alimento. Mas esta alternativa só serve para animais em terminação.

 

Uma redução de 8% na quantidade de alimentos dos animais ajuda a reduzir custos e melhorar a eficiência. No entanto, ela causa o aumento do tempo de abate do animal. Isto porque o ganho de peso diário dos porcos também é reduzido.

 

Para reduzir a alimentação é necessário, no entanto, alterar o sistema dos comedouros dos animais. Os comedouros lineares, tipo cochos, são a melhor alternativa, pois permitem que todos os suínos se alimentem ao mesmo tempo. O produtor só precisa ficar atento ao desperdício.

 

Gostou do artigo? Veja também: Em 2020 a tendência é que a suinocultura continue em alta

 

Post Relacionado