Manejo estratégico na piscicultura durante o inverno

Manejo estratégico na piscicultura durante o inverno

O período de inverno chegou ao Brasil, e com ele a preocupação dos piscicultores. As baixas temperaturas do ar, e consequentemente, da água, causam extremo impacto nas atividades aquícolas.

Sabe-se que os peixes são animais ectotérmicos (ou exotérmicos), ou seja, não apresentam a capacidade de regular a sua temperatura corporal. Sendo assim, em condições de baixas temperaturas da água, os peixes diminuem o seu metabolismo, e consequentemente, tendem a consumir uma quantidade menor de ração, e apresentam redução das taxas de reprodução e crescimento.

Neste sentido, é essencial que o piscicultor adote medidas preventivas a fim de minimizar os efeitos da baixa temperatura, adequando o manejo com o objetivo de promover uma melhor condição de saúde e bem-estar aos peixes.

Manejo na produção de tilápia no inverno
Tilápias estão suscetíveis à doenças durante o inverno. Foto: Instituto de Pesca.

Tendo em vista que o controle de temperatura da água de tanques e viveiros de cultivo é um processo complexo e inviável economicamente, o produtor deve concentrar seus esforços em ações mais simples, como o controle da alimentação, densidade de animais e monitoramento dos parâmetros de qualidade de água.

No caso de viveiros escavados, a atual redução da oferta de água proveniente das chuvas também é um agravador da saúde dos peixes no período de inverno, uma vez que a menor renovação de água compromete sua qualidade.

Cuidados devem começar antes do inverno

Importante salientar que os cuidados devem começar antes mesmo da chegada do inverno, ainda no verão, com o fornecimento de uma dieta adequada e de qualidade. Peixes bem nutridos apresentam um sistema imune mais preparado para enfrentar o desafio do estresse causado pelas baixas temperaturas.

A suplementação das rações com aditivos, como os imunoestimulantes, aminoácidos, fitogênicos, probióticos e prebióticos, é uma boa alternativa para contornar este problema.

Estas substâncias promovem aumento da imunidade dos animais, antes que eles passem pelo período de estresse. Porém o seu uso deve ser criterioso e com acompanhamento técnico especializado, para que se consiga atingir os resultados desejados.

Um correto manejo alimentar durante o inverno é fundamental. A observação do consumo e sobras de ração nos tanques é essencial ao longo de todo o período de produção, inclusive no inverno.

O excesso de matéria orgânica na água deteriora a qualidade de água, além de favorecer o aparecimento de doenças. Em situações de inverno rigoroso, é recomendável até mesmo a suspensão do fornecimento de ração.

É altamente recomendável que práticas de manejo que envolvam o manuseio dos peixes, como a despesca, biometrias e transporte sejam evitadas no inverno. Assim, impede-se que os peixes sejam expostos a outros estressores, que não os naturais já característicos deste período.

Uso estratégico do sal

Outra ação preventiva que pode ser realizada para controlar a mortalidade e o surgimento de doenças, como bacterioses e fungos, é a utilização de sal comum.

O sal estimula a produção de muco pelos peixes, que constitui um mecanismo de defesa contra microrganismos invasores, além de reduzir a agitação, e consequentemente, o estresse destes animais.

Criação de peixes em tanque-rede
A criação de peixes, como em tanques-rede, depende de uma série de manejos para ter um resultado positivo.

Entretanto, a eficácia do uso de sal está diretamente relacionada ao seu uso de maneira adequada, considerando uma dosagem que seja compatível com a tolerância da espécie produzida e da fase de desenvolvimento dos peixes.

A utilização de quantidades inadequadas de sal na água podem ocasionar um efeito contrário, com o aumento do estresse, redução das taxas de crescimento, reprodução e sobrevivência dos animais.

Portanto, o produtor deve buscar a orientação de um profissional da área para ter o conhecimento da quantidade correta a ser aplicada.

Tolerância à temperatura depende da espécie de peixe

Um grande número de espécies de peixes é produzida no Brasil e cada uma apresenta uma faixa ótima de temperatura de água para um crescimento e desenvolvimento adequado.

Criação de trutas em baixas temperaturas
Trutas apresentam desempenho ótimo em baixas temperaturas.

De maneira geral, espécies como salmão e truta, vivem naturalmente em águas com temperatura em torno de 10ºC. Já as tilápias apresentam um melhor desempenho em temperaturas da água variando de 26º a 30ºC.

As espécies nativas da Bacia Amazônica apresentam zona de conforto na faixa de temperatura entre 25 C a 32 °C. Sabe-se que nestas regiões os peixes não enfrentam grandes variações de temperatura da água, como é frequentemente observado nos peixes criados nas regiões sul e sudeste, por exemplo.

Criação de tambaqui resistente ao frio
Tambaqui: espécie pouco tolerante à baixas temperaturas de água.

Assim, além da temperatura adequada para cada espécie de peixe, deve ser considerada a adaptação e tolerância às variações de temperatura de cada espécie de peixe produzida.

Prevenir continua sendo o melhor remédio

Em uma atividade aquícola, a prevenção ainda é a forma mais efetiva para se evitar os prejuízos econômicos relativos às baixas temperaturas. O clima da região e a previsão do tempo devem ser consideradas durante o planejamento e práticas de manejo dos peixes.

O planejamento deve ser realizado antes mesmo da implantação da atividade, com a correta estruturação da propriedade, já prevendo situações extremas como escassez hídrica, inundações e variações de temperatura de cada região.

Para isso, é fundamental a realização de estudos de caracterização e o monitoramento dos recursos hídricos.

Confira também: Noções básicas sobre nutrição, alimentação e rações para peixes.

Post Relacionado