Produção de silagem: quais as etapas e como é feita?

Produção de silagem: quais as etapas e como é feita?

Silagem, de maneira simplista, é o modo de armazenamento da forragem, composto utilizado para suplementação alimentar do rebanho, que fornece grande quantidade de energia aos animais e é muito utilizada por produtores especialmente nos períodos de seca, para que o gado se mantenha saudável.

Este processo consiste em uma técnica específica de fermentação da forragem por restrição de oxigênio, de modo que as perdas de nutrientes sejam mínimas, além de ser uma maneira facilitada de garantir alimento ao rebanho por um longo período de tempo.

O produto final, então, se torna um alimento vultoso próprio para gado de engorda como também para vacas leiteiras. Também é possível usar a silagem para alimentação de ovinos.

O processo de produção da forragem e da silagem não é difícil, mas precisa ser feito seguindo as orientações, que envolvem desde o plantio até o armazenamento. Aprenda agora o passo a passo da produção da silagem.

Saiba mais! Descubra como combater a mosca do chifre, preservando o gado.

A composição da forragem

Antes de aprender o passo a passo da silagem, é importante conhecer a produção da forragem. A cultura mais utilizada é o milho, porém o sorgo, o capim e a cana-de-açúcar também são bastante procurados para essa finalidade.

Isso porque o plantio de milho, sorgo, capim e cana são relativamente fáceis, sem muita exigência de solo e com resistência elevada a climas quentes. Para os períodos de seca, os mais procurados são aveia, centeio, trigo e cevada.

O milho, entretanto, é o mais plantado com o objetivo de produzir silagem. Isso acontece porque a silagem de milho além de ser um alimento bastante nutritivo e energético, é rico em açúcar o que, após o processo de ensilagem, acaba se transformando em gordura para os animais. O mesmo ocorre com o sorgo.

Silagem de milho recém picada na mão de produtor
Silagem de milho recém picada

No caso do capim, é preferível que se plante o capim-elefante, porque dentre os tipos da planta, este é o que menos resulta em água e tem as melhores qualidades nutricionais em comparação com os outros.

Tipos de silagem

Basicamente, existem três tipos de processos de silagem: trincheira, superfície e em sacos.

Na silagem de trincheira, uma parte do composto fica coberta pela trincheira (geralmente paredes de alvenaria), enquanto a outra parte necessita de uma lona para cobertura. É um processo com bom custo benefício, mas que exige um espaço considerável para que seja feito.

Já na silagem de superfície, toda a composição deve ser coberta com a lona, por isso é preciso prestar atenção à total vedação da área, para que não entre oxigênio. É a opção mais barata e de produção mais rápida.

Por fim, a silagem em sacos, embora menos comum que as outras duas, também é uma alternativa bastante viável, porque permite a fração dos silos, ou seja, já com “dosagem” correta para servir ao gado. A produção é fácil e com uma durabilidade maior.

Plantio: sementes e solo

Definidas as plantas que serão utilizadas e o tipo de silagem, é hora de saber sobre o plantio.

A escolha das sementes é fundamental. O mercado oferece grãos próprios para a produção de silagem, sendo os mais macios que favorecem a digestão do rebanho. Entretanto, a escolha de como plantar, fica a critério do produtor, em detrimento do tempo e do espaço disponível.

No caso do solo, as exigências são mínimas: terra fértil, adubação adequada, correção se necessário. Outra dica é reservar um espaço perto dos silos para o plantio dos cultivares escolhidos, para evitar gastos com transportes e até mesmo perda de produto durante o caminho do armazenamento.

Passo a passo da silagem

Com as plantas já em época de colheita, começa especificamente o passo a passo da silagem, como veremos a seguir.

Picagem

A picagem consiste no corte das plantas para silagem que devem seguir um padrão de tamanho. O mais indicado é cortar a forragem, picando-a em pequenos pedaços que podem variar entre 0,5 e um centímetro a dois e três centímetros de comprimento. Tudo vai depender da cultura escolhida para a silagem.

O implemento utilizado para este processo é a ensiladeira ou forrageira que geralmente é arrastada por um trator que ao mesmo tempo puxa a carreta que carrega a forragem picada.

Trator puxando ensiladeira e carreta na produção de silagem
Processo de produção de silagem de milho

O tamanho é importante justamente para que os animais consigam absorver melhor os nutrientes da forragem. Se forem picados muito pequenos, a mastigação é quase nula, o que pode diminuir o aproveitamento dos elementos fundamentais para manter a saúde do gado.

Feito a picagem, basta colocar o fundo do silo e partir para a etapa de compactação.

Compactação e armazenamento

A etapa de compactação é a mais importante de todo o processo de produção de silagem. Aqui, se os cuidados devidos não forem seguidos à risca, toda a forragem pode ser perdida (além do tempo e do investimento financeiro).

Conforme os silos forem sendo preenchidos, é preciso fazer a compactação. A opção mais fácil é com o trator, mas também pode ser feita com animais pisoteando, no caso das silagens de superfície ou de trincheira. Se for com o trator, é imprescindível manter as rodas limpas a fim de não contaminar a forragem.

Trator compactando silagem em silo
Processo de compactação da silagem com trator

Na silagem de sacos, a compactação é feita com pesos ou com prensas.

O objetivo da compactação é não permitir de nenhuma forma acúmulo de oxigênio – é justamente essa falta de oxigenação na forragem que garantirá a fermentação do composto. Porém, para facilitar essa fermentação, muitos produtores optam pela utilização de aditivos.

Os aditivos, como já exposto, ajudam na fermentação da silagem, mas também contribuem melhorando o valor nutritivo da composição.

São mais utilizados em silagens de capim: podem ser aditivos de melaço da cana, palhas, ureia, fubá e feno. O aditivo deve ser depositado entre uma camada e outra da forragem.

Terminada a compactação, é hora da etapa final de produção, o armazenamento. Como salientamos, não se pode permitir a entrada de ar e, por isso, a silagem, qualquer que seja, deve ser muito bem vedada.

No caso das silagens de trincheira e superfície, o uso de lonas é a opção, para cobrir a forragem de maneira que não dê nenhuma abertura para entrada de oxigênio e também proteger da chuva. Após a lona, pode-se colocar uma camada de terra e, se necessário, pedras para segurar nas bordas.

Feito isso, após cerca de quarenta dias, a silagem está pronta para o seu uso.

Se não quer seguir os passos da produção e deseja adquirir silagem pronta, acesse nosso site e encontre de vários produtores.