Como fazer o cálculo de depreciação de lavouras? Confira!

Como fazer o cálculo de depreciação de lavouras? Confira!

Você, produtor, em algum momento já realizou o cálculo de depreciação da lavoura? Infelizmente, é bastante comum que o produtor ignore esta tarefa que faz parte da gestão da propriedade. Contudo, entender como funciona a perda de valor de uma cultura perene ao longo do tempo pode ser muito benéfico.

Com o passar dos anos, qualquer cultura vai perdendo produtividade, até que a lavoura precise ser renovada. Grande parte dos produtores não se preocupa com isso. Mas, é nesse momento que se origina um problema: como arranjar dinheiro para o replantio?

A ideia de entender a depreciação da lavoura é exatamente com objetivo de sanar essa questão tão comum entre os produtores. Ao longo deste post, você vai entender detalhes de como se dá a depreciação, a importância de fazer o cálculo e como realizá-lo de maneira simples. Continue conosco e boa leitura!

O que é a depreciação da lavoura?

Imagine um grande pomar de maçãs, que produz várias toneladas da fruta por ano. Ele começou a produzir recentemente, as plantas são jovens e se manterá produtivo por vários anos.

Nesse momento, você poderia fazer uma oferta para adquirir esse pomar. É claro que, com base em todo o retorno que ele ainda poderá dar no futuro, esse valor deverá ser alto.

Agora, imagine o mesmo pomar, porém em fim de vida, com plantas já envelhecidas e uma produção que se reduz a cada ano. Em pouco tempo, todas as árvores terão de ser replantadas. Nesse caso, a mesma oferta de compra teria de ser reduzida, pois o retorno seria baixo e haveria um alto custo de reimplantação do pomar.

Para essa perda de valor para culturas perenes, damos o nome de depreciação.

Pacote com símbolo $ e seta vermelha para baixo, representando queda de faturamento
É preciso fazer cálculos para conseguir chegar ao valor da depreciação. Sem isso, há riscos de sofrer prejuízos ou gastos não previstos.

Podemos dizer então que, ao longo do tempo, nosso pomar depreciou, perdeu o seu valor inicial, baseado no quanto de retorno ele ainda pode dar no futuro.

Mas a depreciação não atinge apenas a lavoura. Todos os ativos imobilizados dentro de uma propriedade vão depreciar com o tempo, como, por exemplo:

Porque é importante calcular a depreciação da lavoura?

Você deve estar se perguntando: se eu não penso em vender minha propriedade, ou a lavoura, por que é importante realizar um cálculo de depreciação? Bom, esse é um questionamento muito importante.

Conforme a lavoura deprecia, chega o momento em que ela se torna obsoleta, improdutiva, sendo necessária a reimplantação da cultura, seja um pomar, uma parreira, pés de café, ou qualquer outra cultura perene. O replantio é imperativo para se manter produtivo.

Todo esse esforço de reimplantação pode ter altos custos ao produtor que, muitas vezes, pode não dispor dos recursos financeiros necessários para o replantio da cultura.

Dessa forma, boa parte deles recorre aos bancos, com empréstimos bancários e altos juros. O problema disso é que parte da lucratividade da lavoura fica atrelada ao pagamento desses empréstimos, que costumam ser altos.

Instalações antigas de uma propriedade sinônimo de depreciação
A depreciação não atinge apenas lavouras. Instalações antigas também influenciam no valor final da propriedade.

Ao entender qual é a depreciação anual de uma cultura, o produtor pode fazer uma reserva de valor, com base no cálculo, que garanta que, ao final do tempo produtivo da lavoura, ele tenha todo o montante necessário para a reimplantação, sem necessidade de buscar o endividamento.

Podemos dizer então que, realizar o cálculo da depreciação da lavoura não é algo apenas importante, mas fundamental à saúde financeira da propriedade como um negócio lucrativo e rentável ao produtor.

Leia também: Conheça os 6 principais erros na gestão da fazenda.

Como calcular a depreciação?

Existem duas formas de se realizar o cálculo de depreciação da lavoura: uma simples e outra mais complexa. Mas, antes mesmo de entrarmos nos cálculos, é preciso entender quais são as variáveis consideradas aqui.

Para que a depreciação seja calculada da maneira mais precisa possível, todos os custos investidos na formação, o tempo produtivo da lavoura e a sua longevidade deverão ser considerados. Alguns exemplos de gastos que entram nessa conta são:

  • Preparo do solo;
  • Insumos utilizados no período de manejo;
  • Mudas ou sementes;
  • Todos os custos de manejo ao longo do tempo.

Esses valores são diluídos por todo ciclo produtivo da lavoura, para se ter uma ideia de quanto ela perde em valor a cada safra, partindo da primeira colheita comercial. A seguir, acompanhe o cálculo simples e o complexo, que se refere ao modelo de custo de oportunidade.

Modelo simples

Vamos basear nosso exemplo em uma lavoura de café, com uma vida útil de 20 anos, que começa a produzir comercialmente após dois anos de plantio.

Digamos que, em termos de preparo de solo, insumos, manejo e tudo mais, foram gastos cerca de R$ 5.000,00/ha para a implantação da cultura.

Lavoura nova de café
O produtor rural deve estar preparado quando chegar o momento da renovação da lavoura, como de café, que sofre depreciação com o passar dos anos.

No modelo simples, nossa fórmula será a seguinte:

depreciação = custo de implantação/(tempo total – período não produtivo)

Aplicando os valores colocados logo acima, o cálculo será o seguinte:

depreciação = 5000/(20 – 2)

depreciação = 5000/18

depreciação = R$ 277,77/ha/ano

Primeiramente, pegamos o tempo de vida da cultura e subtraímos o período não produtivo, chegando a 18 anos de produção comercial. Logo após, dividimos o nosso custo total de implantação por hectare por essa quantidade de anos, resultando na nossa depreciação, R$ 277,77/ha/ano.

Dessa maneira, poupando esse valor por ano produtivo, ao final do ciclo de produção, haverá dinheiro suficiente para a reimplantação desse cafezal.

Modelo de custo de oportunidade

Então, você deve ter percebido que os cálculos acima são bem simples, e que, na vida real, temos uma série de outros pontos a serem observados. Com o passar do tempo, os valores vão sendo corrigidos e o custo pode aumentar bastante. Por isso, temos o modelo de custo de oportunidade.

Ele considera o quanto o valor investido na lavoura poderia render caso tivesse sido aplicado em outro tipo de investimento de baixo risco, como o Tesouro Direto, por exemplo. Ele é chamado de CARP (Custo Anual de Recuperação de Patrimônio), e utiliza o FRC (Fator de Recuperação de Capital) como motor da equação. Vamos ao mesmo exemplo:

CARP (depreciação) = FRC x custo de implantação

CARP (depreciação) = 0,07 x 5000

CARP (depreciação) = R$ 350,00/ha/ano

O FRC pode ser conferido em tabelas facilmente encontradas na internet e representa o custo de oportunidade em uma percentagem fixa. Assim, como podemos observar, a depreciação da mesma lavoura teve um valor um pouco mais alto, o que já considera a inflação e aumento de preços.

Confira, no vídeo abaixo, como fazer o cálculo de depreciação, considerando também outros aspectos:

Fonte: Sistema CNA/Senar.

Veja também: 5 razões para investir em drones para a gestão de fazendas.

Conclusão

Portanto, como pode ter percebido ao longo do post, realizar o cálculo de depreciação da lavoura é algo fundamental para o produtor, que busca ser cada vez mais produtivo e lucrativo no campo, reduzindo custos financeiros e alavancando o negócio.

Gostou dessas informações? Confira também nosso artigo sobre como reduzir os custos na agropecuária em 7 passos. Boa leitura!

Post Relacionado