Caracu: conheça a raça bovina de dupla aptidão

Caracu: conheça a raça bovina de dupla aptidão

Quem está ligado à pecuária certamente já deve ter ouvido falar na raça de gado Caracu. Considerado versátil, com grande rusticidade e dupla aptidão, o Caracu apresenta bons resultados para aqueles que investem nessa atividade.

Criado no Brasil desde o período colonial, o gado Caracu vem passando por constantes evoluções genéticas, chamando a atenção de criadores, inclusive para ser usado em cruzamento industrial.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, confira o nosso post até o final e saiba por que a raça Caracu é tão procurada pelos pecuaristas brasileiros.

A história da raça de gado Caracu

De origem europeia, o Caracu foi criado a partir da miscigenação de raças taurinas com raças espanholas, portuguesas e africanas, sendo descendente dos animais dos troncos Bos taurus, Bos taurus aquitanicus e ibéricos.

Esses animais foram trazidos ao Brasil pelos colonizadores portugueses. A primeira entrada dessa raça em nosso país aconteceu no ano de 1534, pela cidade de São Vicente, no litoral de São Paulo.

Esses animais tiveram que enfrentar muitas dificuldades, comuns naquela época, tais como: pouca alimentação, doenças e o clima quente. Com o passar dos séculos, foram se adaptando e hoje um dos destaques do gado Caracu é certamente a sua rusticidade.

Rusticidade do animal da raça Caracu
Os animais da raça Caracu atingiram alto nível de rusticidade ao vencerem as dificuldades de quando chegaram ao Brasil. Hoje é uma das principais características.

Sendo assim, foi a própria seleção natural que moldou essa raça, separando os animais nativos (crioulos) dos novos desenvolvidos, que apresentam um pelo amarelo (raça Caracu).

Em 1909, foi criado um posto para a seleção da raça de Caracu brasileira na cidade de Nova Odessa/SP, e em 1919, foi fundada oficialmente a Associação Brasileira de Criadores de Caracu (ABCC). De acordo com a entidade, são cerca de 100 criadores registrados em todo o Brasil.

Leia também: Chianina: conheça a raça de gado “gigante”.

Principais características da raça Caracu

Uma das características que chamam a atenção nessa raça de origem europeia é sua incrível adaptação ao clima tropical e subtropical do nosso país. A seleção natural ofereceu modificações fisiológicas e anatômicas, proporcionando características como:

  • Maior resistência às altas temperaturas;
  • Excelentes aprumos (boa locomoção);
  • Pelos curtos;
  • Boa capacidade de digestão de fibras grosseiras;
  • Cascos altamente resistentes, enquanto duros ou encharcados;
  • Facilidade de parto.

Em regime exclusivo de pasto, o peso médio das vacas varia de 550 a 650 kg, enquanto que os touros pesam ao redor de 1.000 kg. Aos dois anos as novilhas atingem cerca de 400 kg e os bezerros, com um ano, chegam a uma média de 300 kg, sobretudo pela habilidade materna das matrizes.

Os animais apresentam um comportamento manso na maioria das situações e não ficam reunidos em pasto. Eles costumam se espalhar, reduzindo a intensidade de pisoteio, ajudando a conservar as pastagens e ao mesmo tempo facilitando o manejo do rebanho.

Animal da raça caracu em pasto
Os animais da raça Caracu costumam ficar separados no pasto, o que ajuda a preservar essa vegetação. (Fotos: ABCC).

Padrão da raça:

  • Pelos: inclinados e curtos, possuindo uma pelagem de vários tons de amarelo, sem manchas brancas ou pelos pretos;
  • Aprumos: possuem grande eficiência em locomoção;
  • Umbigo: por ser curto, não possui prolapso de prepúcio;
  • Orelhas: ligeiramente pequenas;
  • Vassoura do rabo: cor amarela;
  • Estrutura: longilínea; por ter uma leve inclinação na garupa, apresenta linha do dorso plana;
  • Mucosa: alaranjada;
  • Cascos: são bem resistentes, sobretudo para solos encharcados e compactos.

Fertilidade

As fêmeas apresentam um elevado índice de fertilidade, sobretudo por terem uma estrutura corporal eficiente, facilidade na realização de parto, boa produção de leite e conformação de tetos. Por ter habilidade materna, essa raça é uma das mais procuradas no mercado de receptoras.

Dessa maneira, as fêmeas da raça Caracu já podem ser conduzidas à reprodução em seu 15º mês de vida. Assim, as vacas podem ser mantidas em estado de reprodução até aos 15 anos, dependendo do porte e saúde. Durante esse tempo, elas podem oferecer de 11 a 13 partos.

Fêmea caracu com bezerro no pasto
As fêmeas Caracu tem uma boa habilidade materna e facilidade no processo de parto.

De forma geral, as fêmeas da raça Caracu apresentam:

  • Fertilidade superior a 80%;
  • O primeiro serviço reprodutivo é oferecido aos 15 meses;
  • Primeiro parto ocorre entre 24 e 28 meses de vida;
  • Fêmeas F1 possuem 10% de fertilidade a mais e também 20% a mais no quesito peso da desmama;
  • Excelente facilidade para o processo de parto, fazendo com que os bezerros nasçam com uma média de 32 kg.

Caracu: animal com dupla aptidão

Além dessas características, é preciso destacar que os animais da raça Caracu possuem dupla aptidão, ou seja, servem como gado de corte e gado de leite. A qualidade da carne é um dos diferenciais, ou seja, macia e saborosa, com alta taxa de marmoreio.

No caso do leite, quase todo o rebanho leiteiro do Caracu está localizado em Minas Gerais, região de Poços de Caldas, com uma produção sustentável, com pouca ou nenhuma suplementação alimentar, tornando uma atividade econômica mais barata.

Vaca Caracu, qualidade na produção de leite
Além da qualidade da carne, a produção de leite é outro destaque dos animais da raça Caracu.

Veja também: Marchigiana: conheça a principais características da raça.

Cruzamento industrial da raça Caracu

O gado Caracu é uma raça muito usada com o fim de cruzamento industrial, especialmente com vacas zebuínas Nelore, submetidas à áreas de extensas criações.

Por ser um Bos taurus, acaba produzindo um mestiço com um elevado grau de heterose em vacas zebuínas (Bos indicus). Sendo assim, os resultados acabam sendo animadores para os proprietários rurais, pois esses mestiços se equiparam à raças que são especializadas em produtividade e qualidade.

Os machos costumam se destacar em decorrência do seu papel no cruzamento a campo, e por isso, a raça Caracu oferece um excelente desempenho em programas de monta natural nas regiões dos trópicos. De acordo com a ABCC, reprodutores chegam a ter uma lotação de 40 a 50 vacas, fechando estações de monta com resultados próximos a 90%.

Nos cruzamentos, os animais são abatidos com 24 meses e têm aproveitamento de 18 arrobas. Em regime final de confinamento, podem ser abatidos aos 20 meses e pesando 19 arrobas, com 53% de rendimento de carcaça, e proporcionando uma carne de excelente qualidade, com incrível maciez.

No vídeo abaixo, conheça a história do pecuarista Waldir Ferreira dos Santos, de Palmeiras de Goiás (GO), que gostou tanto dos animais da raça Caracu, que decidiu ampliar o seu plantel, além de servir de inspiração para os filhos que estão no mesmo caminho:

Fonte: PUC TV Goiás.

Portanto, com todas as características e vantagens apresentadas acima, o gado Caracu é uma opção aos criadores que estão pensando em diversificar a criação de gado, em cruzamentos industriais ou até mesmo aproveitando essa característica de dupla aptidão.

Aliás, por falar nessa característica, sugerimos nosso post sobre o gado da raça Simental, que também possui dupla aptidão. Boa leitura!

Post Relacionado