Ovinos Santa Inês: conheça essa raça brasileira

Ovinos Santa Inês: conheça essa raça brasileira

A venda de carne de cordeiros é uma boa opção a você pecuarista! É notável o aumento da demanda, em todas as regiões do Brasil. Então, por que escolher criar ovinos da raça Santa Inês?

Além de apresentarem ciclos curtos e intervalos de parto menores, são ótimos em rusticidade, e portanto, opção acertada em cruzamentos dirigidos, especialmente para programas de melhoramento genético de ovinos. Além disso, não apresentam nenhuma estacionalidade reprodutiva.

Para que a criação prospere, é necessário oferecer alimentação de qualidade, que mantém não somente o bom desenvolvimento, mas também oferece condições pra reprodução e crescimento adequados.

Para saber mais sobre as origens, necessidades, comportamento típico e características mais especiais da raça de ovinos Santa Inês, confira o artigo na íntegra!

Origem da raça e preço dos cordeiros no mercado

Para conhecer melhor os ovinos Santa Inês, é interessante saber um pouco mais sobre a sua origem, que é pouco precisa em sua determinação, porém, sabe-se que cruzamentos dirigidos das raças Bergamácia e Morada Nova, Crioulo, Somalis Brasileira e Suffolk, foram encaminhando o desenvolvimento do padrão genético da raça, nas terras do Nordeste Brasileiro. Daí provém então a rusticidade, até mesmo em relação a doenças em geral, comuns a espécie.

ovino santa inês resistente ao calor
Fruto de cruzamentos dirigidos de várias raças de ovinos, a raça Santa Inês foi originalmente desenvolvida no nordeste brasileiro, garantindo boa adaptação ao clima quente e seco.

A produção de carne desses animais tem sido muito valorizada, porém, ainda não é possível definir um valor fixo. Abaixo, ilustramos os preços praticados no mercado, que giram em torno de:

  • cordeiro (kg/vivo): valor entre R$ 10,00 e R$ 13,00 (pode chegar a R$ 20,00 em algumas regiões);
  • ovino adulto (kg/vivo): valor entre R$ 6,00 e R$ 10,00;
  • cordeiro no varejo – conforme o corte (kg/carne): valor entre R$ 40,00 e R$ 55,00;

Em outro sentido, é importante destacar que muitos fatores acabam influenciando o preço, relacionados diretamente com o animal, tais como:

  • Idade reprodutiva;
  • Peso;
  • Nutrição;
  • Acabamento de carcaça;
  • entre outros.

O foco nos cordeiros é muito bom, mas priorizar a reprodução é melhor ainda, já que os cordeiros são fruto de um manejo reprodutivo bem conduzido. Para isso, é preciso que estejam em plenas condições, especialmente em relação a nutrição, para demonstrar o melhor na procriação, gerando assim, cordeiros de alto valor comercial.

Veja também: As principais raças de ovinos no Brasil e seus benefícios.

Características físicas desse ovino

Uma das principais características da raça Santa Inês é a falta de lã, já que sua pelagem é curta e fina, bem rente à pele. Além disso, é possível destacar que sua pele conta com diversas pigmentações diferentes, como a variação vermelha, malhada entre preto e branco, além de castanha.

Contudo, por conta da produção de couro, os animais de pele mais escura são os mais valorizados dentro do mercado atual. Em contrapartida, destaca-se que ovinos desta raça, com pele em tons mais escuros podem acabar adoecendo com mais facilidade. Isso porque a pele deles absorve mais radiação solar, o que dificulta a termorregulação e predispõe mais chance de “bernes” e “bicheira”.

No mais, o peso dos animais da raça varia muito de acordo com sua alimentação e outros fatores externos. Porém, no geral, as fêmeas costumam apresentar peso entre 60 e 90 quilos, enquanto os machos são mais pesados, com números entre 80 e 120 quilos.

Ovelha santa inês com cordeiro ao pé
A boa habilidade materna das ovelhas Santa Inês, garante bom peso dos cordeiros ao desmame – característica muito boa para determinação do peso ao abate.

Temperamento dos ovinos Santa Inês

Quem trabalha diretamente com a criação de animais para abate, sabe que o temperamento deles é um fator extremamente importante. Além de ser fator herdável, temperamento ruim atrapalha o bom desenvolvimento, inclusive no ganho de peso dos ovinos, devido ao estresse gerado. No entanto, no caso do Santa Inês, não é preciso se preocupar com nenhum desses fatores.

Isso porque o animal é extremamente sociável, e o estresse no manejo só é ocasionado em casos de falta de forrageira de qualidade. Além disso, é preciso dizer que os ovinos desta raça não são como os europeus, que são pouco curiosos. Ao contrário, os Santa Inês são exploradores, e devido a essa característica conseguem aproveitar melhor os recursos alimentares presentes nas áreas.

Outro ponto de destaque é que, diferente das outras raças, no geral, os ovinos Santa Inês não contam com dificuldades em comer folhas largas, o que confere maior habilidade de utilizar melhor pastagens com diferentes espécies de forrageiras.

No mais, apesar de serem calmos, é preciso ter atenção com o lado aventureiro desses animais. Durante uma caminhada, eles podem se perder do rebanho, por isso, é necessário ter cuidado para limitar os rebanhos em áreas que detenham limites físicos.

Rebanho de ovinos Santa Inês
Rebanho de ovinos Santa Inês em pasto – variação de tons de pele e ausência de lã, principais características físicas da raça.

Leia também: Dicas para selecionar ovinos e caprinos.

Reprodução é ponto forte da raça Santa Inês

Como último ponto para você conhecer melhor os ovinos Santa Inês, vamos abordar melhor a reprodução da raça. Basicamente, devido ao fato de não haver estacionalidade reprodutiva, as fêmeas saudáveis e bem nutridas podem gerar cordeiros durante todo o ano, inclusive apresentando cio com o cordeiro ao pé.

Essa capacidade de reprodução chega a render filhotes em períodos menores do que 8 meses, o que é altamente desejável em criações com fins comerciais: baixos intervalos entre partos.

Portanto, os ovinos Santa Inês são eficientes e ativos inclusive reprodutivamente. A população desses animais tende a aumentar rapidamente, e para garantir que isso aconteça, basta fornecer os nutrientes corretos e acompanhar de perto.

Outro ponto de destaque é no desmame. Uma vez que as fêmeas contam com boa produção de leite, com período de lactação maior que a maioria das raças de ovinos para corte (influência garantida da raça Bergamácia), os cordeiros tornam-se mais saudáveis e mais pesados, o que aumenta as chances de continuarem saudáveis durante o seu desenvolvimento, aumentando a taxa de sucesso no desmame.

Como aspecto a melhorar, o destaque aqui vai para a inserção do úbere e muitos casos de mamite com perda de tetos. Isto é, a conformação física precisa evoluir através do melhoramento genético.

Para concluir, a tendência é que a popularidade dos ovinos Santa Inês aumente com o passar do tempo, e você que conheceu as características e iniciou a criação antes de todos, saiu na frente e lucrou mais!

E então, gostou do artigo? Aproveite e acesse também o nosso post sobre ovinocultura: como criar ovelhas com sucesso! Boa leitura!

Post Relacionado