Criação de coelhos: 5 dicas para ter sucesso

Criação de coelhos: 5 dicas para ter sucesso

A cunicultura, como também é conhecido o processo de criação, reprodução e engorda de coelhos, tem como objetivo a comercialização de produtos e subprodutos dos mesmos.

Entretanto, se engana quem pensa que, por se tratar de animais “dóceis”, essa é uma atividade simples. Na verdade, tal criação exige um bom conhecimento técnico para garantir maior qualidade e atender às expectativas dos clientes.

Além da criação para fins domésticos e para a utilização da pele, a cunicultura ganhou espaço na área de alimentos. A carne de coelho, ainda que pouco consumida se comparada com a de aves e gado, encontra cada vez mais apreciadores mundo afora.

O resultado é sentido no setor: se inicialmente a produção era para consumo próprio, hoje ela se mostra uma boa fonte de renda e na geração de empregos.

Portanto, se você tem curiosidade sobre o assunto e quer descobrir algumas dicas fundamentais para ter sucesso na criação de coelhos, seja qual for a finalidade, basta continuar lendo esse artigo.

Como o mercado se comporta frente à cunicultura?

Em uma pesquisa realizada pela IndexBox, renomada empresa americana de marketing, e divulgada em julho desse ano, mostra que a receita global do setor de cunicultura foi de US $ 6,4 bilhões somente em 2017 (data do início do levantamento).

Dois coelhos adultos em gaiola.
Criação de coelhos: mercado está em crescimento e pode ser uma alternativa de renda.

O estudo aponta que o crescimento do setor deve se manter em torno de 12% ao ano e o do consumo da carne de coelhos em torno de 2,9% (a previsão é para os próximos 10 anos).

Ainda segundo a IndexBox, o consumo mundial dessa proteína, que atualmente é de 1,5 milhões de toneladas por ano, deve chegar a marca de 1,8 milhões de toneladas até 2025. Isso deixa claro que essa é uma atividade em plena expansão.

Conheça os principais produtores de coelhos

Atualmente, ainda segundo a pesquisa da IndeBox, o ranking mundial de produção de carne de coelhos se encontra dessa maneira:

  • China: 932 mil toneladas ao ano;
  • Coreia do Sul: 154 mil toneladas;
  • Egito: 57 mil toneladas;
  • Espanha: 57 mil toneladas.

Por outro lado, os maiores importadores do produto, são:

  • Alemanha: 6,4 mil toneladas;
  • Bélgica: 5,3 mil toneladas;
  • França: 3,2 mil toneladas.

No caso do Brasil, o último censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apresenta dados interessantes sobre o assunto.

Embora o consumo da carne de coelhos ainda seja considerado baixo com relação à bovina, por exemplo, o mercado se mostra em constante expansão.

Grupo de coelhos
No Brasil, a criação de coelhos se concentra principalmente em São Paulo e Rio Grande do Sul.

Na época da pesquisa, era contabilizada uma criação total de 204,8 mil animais por ano, com São Paulo e Rio Grande do Sul encabeçando a lista de maiores produtores do país.

Quais são os produtos relacionados à criação de coelhos?

Embora o consumo médio de carne de coelhos pelo brasileiro ainda não seja tão elevado quanto ao que ocorre em outros países, a criação desse animal oferece diversas oportunidades de negócio.

Nesse caso, o mercado da cunicultura também é aquecido a partir da comercialização de:

  • Pele: para a fabricação de acessórios;
  • Fezes: considerado um excelente fertilizante, graças à ótima relação NPK (macronutrientes: nitrogênio, fósforo e potássio);
  • Pelo: para a confecção de tecidos;
  • Coelho vivo: para criação doméstica, como “pet” e como cobaias de laboratório.

Afinal, quais as melhores dicas para quem já cria coelhos ou quer entrar nesse mercado?

1. Escolha a raça certa

Antes de tudo, é fundamental fazer a escolha correta da raça que será criada. Entre as favoritas dos cunicultores estão a nova zelândia que possui uma carne macia e extremamente popular entre os consumidores; e a califórnia branca que tem a pele grossa e o pelo espesso.

Há também a raça de coelho holandês que é enérgico e sociável, sendo uma ótima escolha para a venda como animal doméstico.

É importante verificar se a produção média da raça atingirá suas expectativas, de acordo com o objetivo final.

Lembre-se que uma fêmea de coelho saudável pode dar à luz entre dois e 10 filhotes por ninhada (gestação dura em média 30 dias).

Aos 35 dias de vida, os filhotes são desmamados e vão para a engorda, onde ficam até o ponto de abate, o que ocorre em torno dos 90 dias.

2. Não crie coelhos livres

Os coelhos devem ser criados em gaiolas ou em áreas pequenas. O motivo? Eles são bons em reproduzir e a sua criação pode sair completamente do controle.

Além disso, as gaiolas mantêm os animais protegidos, longe de predadores como gaviões, cães e gatos. O controle de pulgas também é facilitado nesse processo.

Outra questão importante é a do territorialismo. Por mais mansos que os coelhos pareçam, eles gostam de ter o próprio espaço, sem ter que compartilhá-lo com os demais.

No vídeo abaixo, veja como deve ser feita a criação de coelhos em galpões:

Fonte: Repórter Agro.

 3. Fique atento à nutrição dos animais

A alimentação dos coelhos depende de fatores como o estágio da produção e a temperatura.

A recomendação, em termos de nutrientes, é fornecer ao menos 18% de proteína bruta aos animais em crescimento e aos que reproduzem; e 16% aos adultos que não são reprodutores.

Ração peletizada é ideal para alimentar coelhos, que são animais que respiram enquanto estão ingerindo a comida. Reduza gastos fornecendo forrageiras na forma de feno, ou natural, como substituição parcial da ração.

Coelhos comando cenouras
Para a criação de coelhos, uma das dicas importantes é ficar atento à alimentação.

Também é de extrema importância fornecer água limpa e fresca constantemente, com o objetivo de manter a taxa de crescimento e as condições corporais dos coelhos.

É preciso lembrar que eles não toleram bem o calor. Portanto, o cuidado nos meses de verão deve ser redobrado.

4. Manipule da forma correta

Os coelhos são animais consideravelmente “frágeis”. Por isso, manuseá-los de forma incorreta pode facilmente machucá-los.

Para evitar esse tipo de problema, não segure-os pelas orelhas, pela pele das costas (embora esse seja um hábito comum) ou pela nuca.

O ideal é pegar os coelhos pelas axilas, formar uma “concha” na região da barriga e levá-lo ao colo, como estamos acostumados a fazer com a maioria dos pequenos animais de estimação.

Criança segurando coelho com as mãos
É preciso tomar muito cuidado ao manusear os coelhos porque são animais sensíveis.

Quando o coelho fica irritado ou sente algum desconforto, é bem provável que a carne seja prejudicada, assim como acontece em outros animais que passam por situações estressantes.

5. Faça contato com possíveis compradores

Se você já tem tudo em mente para começar a criação de coelhos, é hora de dar um passo fundamental para o sucesso do negócio: fale com os compradores.

Para evitar surpresas desagradáveis e prejuízos, antes de iniciar a produção, descubra as empresas que costumam comprar os coelhos, como abatedores, laboratórios e pet shops. Informe a quantidade mensal de coelhos que você poderá fornecer, a espécie e demais informações.

Por fim, descubra os valores pagos por cada um, a assiduidade da compra e se há a possibilidade de firmar um contrato de compra e venda. Assim, as chances de lucro serão maiores.

No vídeo abaixo, veja como a criação de coelhos pode ser feita em escala comercial e obter lucros:

Fonte: TV Revista Rural.

Com este artigo, esperamos ter apresentado dicas para que você tenha sucesso na criação de coelhos. Caso queira comprar animais, consulta a lista de vendedores em nosso site.

Confira também nossos posts sobre criação de galinha caipira e de tilápias que são duas opções para geração de renda em sua propriedade rural!